Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/50538
Title in Portuguese: Prevalência e fatores relacionados ao autorrelato de bullying entre escolares na cidade de Fortaleza/CE: aspectos individuais, familiares e sociais
Author: Vasconcelos, Karla Rebecca de Souza Teixeira
Advisor(s): Macena, Raimunda Hermelinda Maia
Co-advisor(s): Mota, Rosa Maria Salani
Keywords: Adolescente
Bullying
Violência
Issue Date: 6-Feb-2020
Citation: VASCONCELOS, K. R. S. T. Prevalência e fatores relacionados ao autorrelato de bullying entre escolares na cidade de Fortaleza/CE: aspectos individuais, familiares e sociais. 2020. 84 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2020.
Abstract in Portuguese: Entre os jovens, a intimidação sistemática, conhecida amplamente como bullying, vem configurando se um problema de saúde pública que afeta indivíduos em idade escolar. Independente do papel que assumam (vítima, agressor ou observador), os adolescentes estão expostos a consequências biológicas, psicológicas e sociais relacionadas ao fenômeno e estas podem perdurar ao longo da vida adulta. Este estudo tem por objetivo descrever a prevalência e os fatores individuais, familiares e sociais de escolares que autorrelataram sofrer bullying na cidade de Fortaleza/CE. Estudo seccional, de base populacional, com dados provenientes da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar, nos anos de 2012 e 2015. Para comparabilidade entre os inquéritos, foram incluídos somente dados referentes aos escolares do 9º ano do EF de Fortaleza de cada um dos anos de inquérito. Os dados foram analisados com auxílio do pacote estatístico SPSS® versão 20. As proporções das variáveis e seus respectivos intervalos de confiança (IC95%) foram estimados conforme o ano do inquérito. Ocorreu um incremento, estatisticamente significante, de 12,5% (OR=1,29) no autorrelato dos escolares que sofreram bullying entre os anos de 2012 e 2015 (34% vs 46,5%), sendo a aparência do corpo (15,6%) e do rosto (11,4%) os motivos especificados mais prevalentes. Os fatores individuais dos escolares foram caracterizados por ambos os sexos, idade entre 14 e 18 anos (2012: 82,9% vs 2015: 82,8%), cor parda (2012: 44,7% vs 2015: 53,1%), desprendiam entre 3 e 6 horas por dia com uso de tecnologias (2012: 48,8% vs 2015: 54,0%), a escolaridade da mãe era de ensino fundamental incompleto (2012: 23,9% vs 2015: 21,1%), estavam tentando perder peso (2012: 32,0% vs 2015: 29,5%), possuíam uma rede de amigos (três ou mais amigos) e início sexual mais tardio (13 ou mais anos). Sobre experiência com drogas lícitas (cigarro e álcool) e ilícitas na vida, foi observado aumento do relato de experimentação de tabaco (2,3%) e drogas ilícitas (3,7%) entre os anos. O suporte social familiar se mostrou frágil, sendo os escolares oriundos de famílias uniparentais, morando em sua maioria com a mãe. Em relação aos fatores sociais, houve o aumento de 31,9% no envolvimento dos escolares em briga com uso de arma branca e 10,5% com uso de arma de fogo. Os achados permitem projetar ações focadas e adaptadas à população alvo de acordo com os fatores de risco identificados e subsidiados pela literatura, ressaltando que não devem ser encarados de forma isolada, mas relacionados entre si. Diante do exposto, faz se necessário o engajamento de todos os envolvidos no fenômeno (escolares, professores, familiares e comunidade) para o combate efetivo à intimidação sistemática.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/50538
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGSP - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2020_dis_krstvasconcelos.pdf2,37 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.