Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/9684
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorPordeus Júnior, Ismael de Andrade-
dc.date.accessioned2014-11-10T13:21:22Z-
dc.date.available2014-11-10T13:21:22Z-
dc.date.issued1989-
dc.identifier.citationPordeus Júnior, I. A. (1989/1990)pt_BR
dc.identifier.issn0041-8862 (impresso)-
dc.identifier.issn2318-4620 (online)-
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/9684-
dc.descriptionPORDEUS JÚNIOR, Ismael de Andrade. Trabalho e malandragem – sincretismo de um herói civilizador. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v.20/21, n.1/2, 1989/1990, p.189-198.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherwww.rcs.ufc.br/edicoespt_BR
dc.subjectEspiritismo de umbandapt_BR
dc.subjectCandomblé da Bahiapt_BR
dc.subjectExu e Orixáspt_BR
dc.subjectCultura brasileirapt_BR
dc.titleTrabalho e malandragem – sincretismo de um herói civilizadorpt_BR
dc.typeArtigo de Periódicopt_BR
dc.description.abstract-ptbrA concepção simbólica do Exu no Espiritismo de Umbanda ressalta a importância desse personagem em seu caráter ambíguo, contraditório e passível de ser utilizado ou reapropriado por outras manifestações culturais. Esse trabalho procura, a partir da reconstrução dos elementos principais desse personagem, entender dimensões da cultura brasileira onde a malandragem expressa de forma dinâmica essa ambiguidade. O PERSONAGEM E SUAS INTERPRETAÇÕES Esse personagem, o Exu - mito dinâmico no panteon loruba, Fon, no Candomblé da Bahia - domina a natureza cósmica e humana. Ele é o elemento de ligação entre o mundo sagrado e o mundo profano, entre os homens e seus Orixás, entre os próprios Orixás, intervindo de uma forma ambígua e desempenhando um papel bem definido, como demonstraram Bastide (1974), Elbain dos Santos (1977) e Renato Ortiz(1978). Exu é um personagem presente em todos os elementos da natureza e na vida de cada indivíduo no seio da sociedade. Suas intervenções apresentam características próprias, queremos dizer, cada local, cada linguagem, cada entidade, cada pessoa possui seu próprio Exu. Apesar de sua ambiguidade, ele é um elemento único, é o princípio da totalidade da existência...pt_BR
Appears in Collections:DCSO - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1990_art_iapjr.pdf1,01 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.