Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7623
Title in Portuguese: Eliminação: uma desterritorialização da violência (linhas transversais aos territórios escolares)
Title: Élimination : une déterritorialisation de la violence (lignes transversales aux territoires des écoles)
Author: GALLICCHIO, Gisele Soares
Advisor(s): SOUSA, Sylvio Gadelha
Keywords: Modes de subjectivation
Sociétés de Contrôle
Consumo(Economia)
Mudança(Filosofia)
Modos de Subjetivação
Sociedades de Controle
Issue Date: 2012
Publisher: www.teses.ufc.br
Citation: GALLICCHIO, G. S.; SOUSA, S. G. (2012)
Abstract in Portuguese: Esta tese procura diferenciar violência de eliminação fazendo uso do pensamento de Gilles Deleuze e Félix Guattari. Inúmeros eventos vêm assinalando uma percepção diferente da vida e de seus componentes de valoração. A pesquisa busca contribuir com elementos “exteriores” àquilo que a escola, tradicionalmente, compreende em seu perímetro de práticas (e seu referencial teórico-conceitual). Um cruzamento de linhas faz romper as segmentaridades da esfera educacional. A segmentarização dispõe a escola, por escalonamento e por contigüidade, em uma sequência de etapas destinadas ao mercado. A eliminação vem indicar um investimento no processo de subjetivação, que implica a atualização do capital, caracterizando mudanças de um modo de vida. Novas escalas, provocadas pelo devir silício, geram afetos e afecções, colocando em jogo forças demarcadas em acontecimentos, que podem ser expressos pelos verbos eliminar, deletar, exterminar e selecionar. A tese procura seguir o percurso da eliminação num processo de desterritorialização da violência, quando incitada pelas práticas de consumo, reterritorializada nas estratégias de controle e absorvida pela subjetividade capitalística. A relação entre eliminar e consumir anuncia não apenas a excitação ao poder de compra e de aquisição de produtos-mercadorias, mas posturas subjetivantes geradas com a equivalência do eliminar aos atos de gastar, destruir, liquidar. A eliminação passa a engendrar as sociedades de controle que, através das máquinas comunicacionais e informacionais, investem no deletar. Ações e as condutas, sobrecodificadas em cotações e índices, reproduzem os mecanismos do capital financeiro numa espécie de pedagogia exercida nas redes sociais e nos jogos digitais. As estratégias intensificam-se, modulando os eliminar e o deletar em exterminar . Elas permeiam diferentes territórios existenciais: do funcionamento das empresas às chacinas escolares. Os vetores de desterritorialização apontam a potência de criação da eliminação através do selecionar. Esse sentido é detectado no filme Ben X, baseado na vida de um adolescente autista que sofre bullying, ao trazer uma dimensão ética e estética, demarcando as linhas de fuga capazes de afirmar a diferença e de produzir de um novo modo de vida.
Description: GALLICCHIO, Gisele Soares. Eliminação: uma desterritorialização da violência (linhas transversais aos territórios escolares). 2012. 189f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7623
Appears in Collections:PPGEB - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012-TESE-GSGALLICCHIO.pdf2,03 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.