Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6952
Title in Portuguese: Incentivos e barreiras para a realização do teste de HIV entre homens que fazem sexo com homens
Title: Incentives and barriers to HIV testing among men who have sex with men
Author: Melo, Eugênia Marques de Oliveira
Advisor(s): Kerr , Ligia Regina Sansigolo
Co-advisor(s): Kendall, Bernard Carl
Keywords: Sorodiagnóstico da AIDS
Desigualdades em Saúde
Políticas Públicas
Issue Date: 2012
Citation: MELO, E. M. O. Incentivos e barreiras para a realização do teste de HIV entre homens que fazem sexo com homens. 2012. 195 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2012.
Abstract in Portuguese: O objetivo desse trabalho é explorar os contextos de vulnerabilidade que interferem na realização ou não do teste de HIV entre os homens que fazem sexo com outros homens. De modo mais específico, busca-se explorar quais fatores individuais, sociais e programáticos podem se estabelecer como incentivos e barreiras para a realização do teste de HIV, delineando o quadro de vulnerabilidades dos HSH. Ainda, explora-se como as recomendações do Ministério da Saúde para a realização do teste de HIV são entendidas e vivenciadas pelos HSH. O referencial teórico adotado foi construcionista e o quadro da vulnerabilidade foi o raciocínio utilizado como base de toda essa pesquisa. O estudo traz um panorama geral da epidemia da aids entre os HSH em nível internacional e nacional, bem como as recomendações políticas internacionais que influenciaram as respostas brasileiras ao HIV/aids, e a construção de políticas públicas nacionais referentes ao teste de HIV. Essa pesquisa possui caráter exploratório, abordagem qualitativa e utilizou a metodologia do Rapid Assessment, de pressupostos antropológicos. Foram realizadas 40 entrevistas semi-estruturadas com HSH de pelo menos 18 anos de idade, com sorologia para HIV positiva e negativa, e que nunca realizaram o teste, residentes na cidade de Fortaleza. As entrevistas foram realizadas em vários lugares da cidade, a fim de alcançar uma amostra variada de informações, sendo fixos apenas uma ONG e um Serviço de Atenção Especializada de referência em HIV/aids. As informações foram analisadas por meio da técnica de análise de conteúdo do tipo categorial. Os resultados mostram que os motivos para a realização do teste de HIV entre os HSH foram: perceberem-se em risco, exigência do parceiro, autocuidado e temor à doença, doação de sangue, incentivos dos profissionais da saúde, oficinas de prevenção e eventos LGBT. Já as barreiras ao teste foram: pobreza, falta de conhecimento de modo geral sobre prevenção e transmissão do HIV, preconceito com as sexualidades não heterosssexuais, estigma em relação às práticas homoeróticas e à aids, homofobia, discriminação referente à aids e baixa ou nenhuma percepção de risco. As barreiras programáticas foram: falta de conhecimento acerca dos locais, dos procedimentos e do tempo confiável para realizar o teste, descrença das recomendações de testagem do Ministério da Saúde, desconfiança da eficácia do teste rápido, homofobia, despreparo para lidar com questões da sexualidade homoerótica e emocionais decorrentes do resultado positivo entre os profissionais da saúde, campanhas governamentais escassas e ineficazes para estimular a busca ao diagnóstico e falta de reconhecimento com as políticas em HIV/aids criadas para HSH quando no cotidiano não há essa identidade. Os resultados mostram ainda que esses motivos possuem impacto direto no não seguimento das recomendações de testagem tornando a população HSH de Fortaleza vulnerável à epidemia. Baseado no conceito ampliado de saúde, políticas públicas devem ser elaboradas considerando o conceito de integralidade de modo que essa população seja assistida em seus direitos, o que terá consequência na redução da vulnerabilidade ao HIV/Aids.
Abstract: This work aims to explore the contexts of vulnerability that interfere on the (non) realization of the HIV test among men who have sex with other men. In a more specific way, it aims to explore which individual, social and programmatic factors may be established as encouragement and hurdles for the realization of the HIV test, outlining the vulnerability framework of the Men Who Have Sex with Men (MSM). It also explores how the recommendations of the Ministry of Health for the realization of the HIV test are extended and experienced by the MSM. The adopted theoretical reference was constructionist and the vulnerability framework was the reasoning used as a basis for the whole research. The study brings a general panorama of the aids epidemics among the MSM on a national and international level, as well as the international recommendations policy that have influenced the Brazilian responses to HIV/aids, and the building of national public policies that refer to the HIV test. This research has an exploratory character, qualitative approach, and used the methodology of Rapid Assessment, which has anthropological presuppositions. Forty semi-structured interviews were done with MSM who were at least 18 years of age, with both positive and negative serology for HIV, and who had never done the test, living in the city of Fortaleza. The interviews were done in many places around the city, aiming to get a wider sample of information, being a constant for the research only a NGO and a Service of Specialized Attention of Reference to HIV/aids. The information was analyzed through the technique of content analysis that was category-based. The results show that the reasons for the realization of the HIV test among the MSM were: they perceived they were at risk, a demand from the partner, self-care and fear of the disease, blood donation, encouragement from the healthcare professionals, prevention workshops and LGBT events. On the other hand, the barriers to the test were: poverty, lack of general knowledge about HIV prevention and transmission, prejudice against the non-heterosexual sexualities, stigma in relation to the homoerotic practices and to aids itself, homophobia, discrimination referring to aids and low or no perception of the risk. The pragmatic barriers were: lack of knowledge about the places, the procedure and reliable time to do the test, discredit for the test recommendation from the Ministry of Health, discredit for the efficiency of the quick test, homophobia, lack of preparation to deal with questions of the homoerotic sexuality and emotional reasons deriving from the positive results among the healthcare professionals, lack of and inefficient governmental campaigns for the stimulation to look for the diagnosis and lack of identification with the HIV/aids policies created for MSM when in everyday life there is no such identification. The results also show that these reasons have a direct impact on the non-following of the recommendations of testing, making the MSM population from Fortaleza vulnerable to the epidemics. Based on the wide concept of health, public policies must be elaborated taking into consideration the concept of integrality in such a way that this population can be assisted in their rights, which will have a consequence in the reduction of the vulnerability to the HIV/aids.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6952
Appears in Collections:DSC - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_dis_emomelo.pdf1,52 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.