Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5349
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorBarreto, Flávio Ataliba Flexa Daltro-
dc.contributor.authorMatias, Jonathan de Souza-
dc.date.accessioned2013-07-11T19:17:09Z-
dc.date.available2013-07-11T19:17:09Z-
dc.date.issued2010-
dc.identifier.citationMATIAS, Jonathan de Souza. Análise da qualidade do crescimento no Brasil entre o período 1995-2008: uma análise comparativa entre estados e regiões brasileiras. 2010. 162f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós Graduação em Economia, CAEN, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, 2010pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5349-
dc.description.abstractThis work intends to classify the growth of Brazil, regions and states of the nation during FHC (1995-2002) and Lula´s government (2002-2008), and the whole period (1995-2008),from the perspective of being in favor of the poor, not poor or so called Trickle-Down, which is nothing more than growth with poverty reduction and an increase in inequality. Three methodologies were used: (i) growth elasticity of poverty and inequality, according to Datt and Ravallion (1999) and decompositions proposed by Besley, Burgess and Volart (2005), (ii)Poverty Growth Curve, according to Son (2003), and (iii) the Pro-poor Growth Index, according to Kakwani and Pernia (2000), after the Shapley decomposition proposed by Shorrocks (1999). It was used the PNAD's as data base, from household perspective. Thus, this work analyzes growth and income distribution among the households, as well as household’s poverty. Although not a specific objective of the study, it was noticed a convergence of results of the three methods in order to describe the growth of the Northeast (and their states) as less effective in reducing poverty indicators analyzed – FGT (0), FGT (1)and FGT (2) – comparing to other regions of the country (and their states). This fact explains why the region and its states least reduced these rates in relation to the rest of the country.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectPobrezapt_BR
dc.subjectDesigualdade de Rendapt_BR
dc.titleAnálise da qualidade do crescimento no Brasil entre o período 1995-2008: uma análise comparativa entre Estados e Regiões Brasileiraspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.description.abstract-ptbrEste trabalho foi feito com objetivo de qualificar o tipo de crescimento do Brasil, regiões e unidades da federação no período FHC (1995-2002), Lula (2002-2008) e período todo (1995-2008), sob a ótica de ser em favor dos pobres, não pobres ou o chamado Trickle-Down, que nada mais é do que o crescimento com redução de pobreza com aumento na desigualdade. Para isto foram utilizadas 3 metodologias, quais sejam: (i) Elasticidade crescimento e desigualdade da pobreza de acordo com Ravallion e Datt (1999) e decomposições propostas por Besley, Burgess e Volart (2005); (ii)Poverty Growth Curve de acordo com Son (2003); e (iii) Índice de crescimento-pobreza de Kakwani e Pernia (2000), posteriormente à decomposição de Shapley proposta por Shorrocks (1999). Utilizou-se as PNAD’s como base de dados, sob a ótica dos domicílios. Desta forma, analisou-se crescimento e distribuição da renda domiciliar per capita entre os domicílios, bem como a pobreza domiciliar. Embora não seja objetivo específico do trabalho, verificou-se uma convergência de resultados das três metodologias, no sentido de qualificar o crescimento da região Nordeste (e de seus estados) como menos efetividade em reduzir os indicadores de pobreza analisados – FGT(0), FGT(1)e FGT(2) –, ao comparar com as demais regiões do país (e de seus estados). Fato este que explica o porquê da região e seus estados terem sido os que menos reduziram esses índices em relação aos demais do país.pt_BR
Appears in Collections:CAEN - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2010_dissert_jsmatias.pdf1,07 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.