Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/50801
Title in Portuguese: Se o senhor não tá lembrado, dá licença de contá: uma abordagem discursiva da experiência de desapropriação
Author: Santos, Paula Perin dos
Advisor(s): Vasconcelos, Sandra Maia Farias
Keywords: Narrativas de vida
Discurso do desapropriado
Categorização
Rodoanel Mário Covas
Issue Date: 2019
Citation: SANTOS, Paula Perin dos. Se o senhor não tá lembrado, dá licença de contá: uma abordagem discursiva da experiência de desapropriação. 2019. 173f - Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Linguística, Fortaleza (CE), 2019.
Abstract in Portuguese: O Rodoanel Mário Covas é um anel viário em fase final de construção no entorno da Região Metropolitana de São Paulo. Para realizar esse empreendimento, milhares de famílias que residiam em áreas do traçado foram desapropriadas, sobretudo os moradores da Estância Jaraguá, bairro situado no subdistrito de Parada de Taipas em São Paulo, capital paulista. Diante disso, esta tese tem por objetivo geral analisar narrativas de vida sobre a experiência de desapropriação, à luz da Análise Fenomenológica Interpretativa e da Semiótica Discursiva, a fim de categorizar o discurso do desapropriado. Para alcançar esse objetivo, optamos por três objetivos específicos, que são: a) Analisar as categorias discursivas subjacentes às narrativas sobre a experiência de desapropriação; b) Investigar as representações do eu/enunciador em relação aos objetos de valor positivo ou negativo com os quais se confrontam; c) Categorizar o discurso do desapropriado. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que se vale da Análise Fenomenológica Interpretativa (SMITH; OSBORN, 2003) e da Etnossociologia (BERTAUX, 2010) para uma abordagem indutiva das narrativas de vida, a fim de chegar às categorias discursivas que emanam de tais textos. Como aporte teórico, recorremos às contribuições da Semiótica Discursiva (BARROS, 2002; FIORIN, 2011), dos estudos da narrativa de vida (MAIA-VASCONCELOS, 2011; PINEAU; LEGRAND, 2012; DELORY-MOMBERGER, 2014; BRUNER, 2014; FERRAROTI, 2014), dos espaços existenciais e dos sentidos do lugar e os não lugares (CERTEAU, 1998; AUGÉ, 2012; PALLASMAA, 2013; BERGSON, 2013; HALL, 2014; REIS, 2017). Os estudos aqui empreendidos nos permitiram observar três categorias discursivas da experiência de ser desapropriado, representadas por três enunciadores: o enunciador desterritorializado, o enunciador territorializado e o enunciador multiterritorializado. O enunciador desterritorializado, desapropriado do lugar de onde se sentia pertencido, passa a viver de lembranças. Tal condição implica na rejeição de tudo o que se relaciona a atual moradia. A narrativa de vida se constrói a partir da premissa de que o lá (moradia anterior) era melhor do que o aqui (moradia atual); já o enunciador territorializado não se sente pertencido à moradia anterior, por isso ser desapropriado é o meio pelo qual adquire os recursos necessários à moradia que deseja. Sua narrativa de vida se constrói a partir da premissa de que o lá (moradia anterior) era ruim, mas o aqui (moradia atual) é bem melhor. Por isso, esse enunciador se sente pertencido à nova moradia. As dificuldades enfrentadas durante o processo são interpretadas como parte de um plano maior para a aquisição da casa dos sonhos. Por fim, o enunciador multiterritorializado não demonstra ter apego emocional ao lugar existencial: nem à moradia anterior, nem à moradia atual, mas à facilidade de acesso à vida urbana que este imóvel pode lhe proporcionar. Sua narrativa de vida se constrói a partir da premissa de que o lá (moradia anterior) era perigoso, mas o aqui (moradia atual) é seguro e “perto de tudo”. Ao optar pelo não lugar, termo que designa os espaços de circulação, os pontos de passagem, o enunciador multiterritorializado renuncia ao sentimento pertencer a um território, preferindo não se apegar a uma residência para estar perto de tudo. Prefere a passagem facilitada e a liberdade do ir e vir, à resignar-se à distância dos grandes centros, às margens da vida social que nos permite a urbanidade.
Abstract: The Rodoanel Mário Covas is an expressway in the final phase of construction around the Metropolitan Region of São Paulo. Thousands of families who lived in areas of the route were expropriated for the construction of this expressway, especially the residents of Estancia Jaraguá, a neighborhood located in the subdistrict of Parada de Taipas in São Paulo, the capital of São Paulo. In face, this thesis aims to analyze life stories about the expropriation experience, through Phenomenological Interpretative Analysis and Discursive Semiotics, in order to categorize the discourse of the expropriated. We have chosen three specific objectives, which are: a) To analyze the discursive categories underlying the expropriation experience; b) To investigate the representations of the self/enunciator in relation to objects of positive or negative value with which they are confronted; c) To categorize the expropriation discourse. It is a qualitative research, which uses the Interpretative Phenomenological Analysis (SMITH; OSBORN, 2003) and Ethnosociology (BERTAUX, 2010) for an inductive approach to life narratives, in order to define the discursive categories present in such texts. We have adopted the contributions of the Discursive Semiotics (BARROS, 2002; FIORIN, 2011), of the life narrative studies (MAIA-VASCONCELOS, 2011; PINEAU; LEGRAND, 2012; DELORY-MOMBERGER, 2014; BRUNER, 2014; FERRAROTI, 2014), of existential spaces and the senses of place and non-places (CERTEAU, 1998; AUGÉ, 2012; PALLASMAA, 2013; BERGSON, 2013; HALL, 2014; REIS, 2017) as a theoretical contribution. In this study, we observe three discursive categories of the experience of being expropriated, represented by three enunciateurs: the deterritorialized enunciator, the territorialized enunciator and the multiterritorialized enunciator. The deterritorialized enunciator, dispossessed of the place from which he felt he belonged, starts to live on memories. This condition implies the rejection of everything that relates to the present house. His life story is built on the premise that the there (previous house) was better than the here (current house). The territorialized enunciator does not feel that he belongs to the previous house, so being expropriated is the means by which he acquires the necessary resources to buy the house he wants. His life history is built on the premise that the there (previous house) was bad, but the here (current house) is much better. For this reason, territorialized enunciator feels that he belongs to the new house. Difficulties faced during the process are interpreted as part of a larger plan for the acquisition of the dream house. Finally, the multiterritorialized enunciator does not show emotional attachment to the existential place: neither to the previous house, nor to the current house, but to the ease of access to urban life that this property can provide. His life history is built from the premise that the there (previous house) was dangerous, but the here (current house) is safe and "close to everything". By opting for no place, a term that designates circulation spaces, crossing points, the multiterritorialized enunciator renounces the feeling of belonging to a territory, preferring not to cling to a residence to be close to everything. He prefers easy passage and the freedom to come and go, rather than resigning himself to the distance of the great centres, to the margins of social life that allows us urbanity.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/50801
metadata.dc.type: Tese
Appears in Collections:PPGL - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_tese_ppsantos.pdf2,76 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.