Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/50752
Title in Portuguese: Imagem, acontecimento jornalístico e símbolo: o caso Alan Kurdi
Author: Holanda, Camila Magalhães de
Advisor(s): Lima, Maria Érica de Oliveira
Keywords: Imagem
Acontecimento jornalístico
Símbolo
Refugiados
Issue Date: 2019
Citation: HOLANDA, Camila Magalhães de. Imagem, acontecimento jornalístico e símbolo: o Caso Alan Kurdi. 2019. 112f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade Federal do Ceará, Instituto de Cultura e Arte, Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Fortaleza, 2019.
Abstract in Portuguese: Há imagens que se fixam em nossa mente como representação máxima de um episódio, tornando-se, ela própria, em sua materialidade e autorreferencialidade, um acontecimento, entendido como uma ruptura com o convencional no espaço fenomênico. É a partir desse espectro de fenômenos que jornalistas captam e interpretam essas rupturas e, por fim, constroem os acontecimentos jornalísticos. A partir disso, o trabalho se debruça sobre a relação do jornalismo com a imagem para a criação de símbolos. A partir do conceito defendido por Ana Paula da Rosa (2012) de imagem-totem, traçamos um desenvolvimento teórico para investigar como imagens se constituem em acontecimentos jornalísticos e como se tornam símbolo de uma situação maior. Tomamos como objeto de análise o caso das três fotografias do menino Alan Kurdi, sírio de 3 anos, encontrado morto numa praia na Turquia em 2015, partindo de duas questões centrais: Como a fotografia de Alan Kurdi se tornou símbolo da luta dos refugiados? E qual o papel do jornalismo na construção desse símbolo? Para elucidar tais questões, trazemos teóricos da imagem, como Walter Benjamin (1987), Régis Debray (1993), Roland Barthes (1984), Susan Sontag (2003; 2004), W. J. T. Mitchell (1994; 1996), Jacques Ranciére (2012; 2015) e Didi-Huberman (2013), aliados aos estudos sobre mídia de Patrick Charaudeau (2018) e Stuart Hall (1999), além da contribuição sobre jornalismo de Margarethe von Steinberger (2005), Márcia Benetti (2010), João Batista Natali (2004), Carlos Eduardo Lins da Silva (2011) e Diogo Schelp (2016). A ideia de símbolo é entendida com base no poder simbólico de Pierre Bourdieu (2005). Para analisar as fotografias, usamos a iconologia de Aby Warburg. Após, a framing analysis, para detectar os enquadramentos sugeridos pela Folha de S. Paulo para as imagens de Alan Kurdi. Por último, trazemos um apurado de releituras artísticas elaboradas a partir da fotografia que ratificam a imagem como símbolo mundial.
Abstract: There are images that are fixed in our mind as the maximum representation of an episode, becoming, itself, in its materiality and self-referentiality, an event, understood as a rupture with the conventional in the phenomenal space. It is from this spectrum of phenomena that journalists capture and interpret these ruptures and, finally, construct journalistic events. From this, the work focuses on the relationship of journalism with the image to the creation of symbols. From the concept defended by Ana Paula da Rosa (2012) image-totem, we draw a theoretical development to investigate how images constitute journalistic events and how they become a symbol of a greater situation. The case of the three photographs of Alan Kurdi, a 3-year-old Syrian boy found dead on a beach in Turkey in 2015, is based on two central questions: How did Alan Kurdi's photograph become a symbol of the refugee struggle? And what is the role of journalism in the construction of this symbol? In order to elucidate such questions, we bring image theorists, such as Walter Benjamin (1987), Régis Debray (1993), Roland Barthes (1984), Susan Sontag (2003, 2004), WJT Mitchell (1994, 1996), Jacques Ranciere (2005), Márcia Benetti (2010), John Baptist (2010), Didi-Huberman (2013), Allied Media Studies by Patrick Charaudeau (2018) and Stuart Hall (1999) Natali (2004), Carlos Eduardo Lins da Silva (2011), Diogo Schelp (2016). The idea of a symbol is understood based on the symbolic power of Pierre Bourdieu (2005). To analyze the photographs, we use the iconology of Aby Warburg. After framing analysis, to detect the frameworks suggested by Folha de S. Paulo for the photography of Alan Kurdi. Finally, we bring a thoroughness of artistic re-readings from the photograph that ratify the image as a world symbol.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/50752
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGCOM - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2019_dis_cmholanda.pdf3,19 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.