Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/47618
Title in Portuguese: Finanças comportamentais: traçando o perfil do jovem investidor
Author: Silva, Cinthia Brito da
Santos Júnior, Adriano dos
Castelar, Pablo Urano de Carvalho
Barbosa, Rafael Barros
Guimarães, Daniel Barboza
Keywords: Finanças comportamentais
Processo decisório
Teoria do prospecto
Issue Date: 2016
Publisher: Universidade Federal do Ceará
Citation: SILVA, Cinthia Brito da et al. Finanças comportamentais: traçando o perfil do jovem investidor. Revista Encontros Universitários da UFC, Fortaleza, v.1, n. 1, 2016. (Encontro de Programas de Educação Tutorial, 3).
Abstract in Portuguese: Thaler (2005) resume Finanças Comportamentais como ‘finanças open-minded’, argumentando que às vezes para achar a solução de um problema [financeiro] empírico, é necessário considerar a possibilidade de que alguns agentes na economia não se comportem de forma completamente racional todo o tempo. A presente pesquisa tem por objetivo traçar o perfil do jovem investidor, identificando quais variáveis socioeconômicas influenciam a realização de investimentos no mercado financeiro. Para isso, este trabalho utilizou o método paramétrico dos mínimos quadrados não lineares para estimar a função de utilidade e a função de ponderação. Foram aplicados questionários para captar os equivalentes de certeza dos alunos. Os resultados obtidos, com relação a todos os pesquisados, indicam que os indivíduos são relativamente avessos ao risco e não conseguem distinguir exatamente as apostas. Na análise por gênero, os homens mostraram-se mais atraídos pelas apostas que as mulheres, 1.02 e 0,96, respectivamente. Ou seja, os homens são menos avessos ao risco que as mulheres. Nota-se também que eles discriminam as probabilidades mais linearmente que as mulheres, 0,45 e 0,33. Conclui-se que a renda exerce um papel fundamental sobre a aversão ao risco dos indivíduos. De fato, quanto maior a renda do indivíduo, este tende a ser menos avesso ao risco. Alunos com pais com baixa escolaridade e/ou baixa renda tem realmente maior aversão ao risco porque não possuem riquezas para compensar potenciais perdas decorrentes de apostas . Outro aspecto que corrobora os resultados decorre da importância da educação sobre a aversão ao risco. A maior escolaridade dos pais propicia aos filhos um posicionamento mais agressivo com relação a decisões, estes tenderão a preferir investimentos mais arriscados, o que deixa em segundo plano o investimento livre de risco tradicional.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/47618
metadata.dc.type: Resumo
Appears in Collections:EPET - Resumo de trabalhos apresentados em eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_resumo_eve_cbsilva.pdf49,68 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.