Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/45765
Title in Portuguese: O Farsesco na comédia Ática
Author: Silva, Francisco Alison Ramos da
Pompeu, Ana Maria César
Keywords: Aristófanes
Farsa
Comédia
Issue Date: 2016
Publisher: Universidade Federal do Ceará
Citation: SILVA, Francisco Alison Ramos da; POMPEU, Ana Maria César. O Farsesco na comédia Ática. Revista Encontros Universitários da UFC, Fortaleza, v. 1, n. 1, 2016. (Encontro de Pesquisa e Pós-graduação, 9).
Abstract in Portuguese: Este estudo trata do farsesco na Comédia Ática. Em Aristophanes and the Carnival of Genres (Aristófanes e o Carnaval de Gêneros), Charles Platter (2007) escreve que a comédia reúne vários gêneros literários, semelhante a uma colcha de retalhos em movimento. Aristófanes costumava satirizar um poeta de nome ambíguo quanto ao gênero teatral: Carcino, cuja menção direta é feita em Vespas e Paz, nas quais o poeta faz menção ao cômico, porém, caracterizado pela dança extravagante e movimentos do corpo. Na primeira, especialmente, os escravos afirmam, no “Prólogo”, que o poeta refuta o modelo dos mimos de Mégara, gênero considerado inferior à comédia que apresentam. Porém, curiosamente, a contradição dessas primeiras palavras se torna evidente ao final da peça, quando dançarinos filhos de Carcino representam a sua dança e Filocléon, antagonista de Bdelicléon, faz tal qual ou ainda com maior exagero do que os próprios dançarinos profissionais. No contexto da comédia de Aristófanes, isso significa, no mínimo, uma espécie de barulho estranho, que deve conduzir o leitor, ou espectador, a muitas indagações: o que teriam sido os mimos de Mégara? Uma vez que figuram na comédia antiga, resumir-se-iam apenas a danças e a improvisações de festas religiosas? Por que Aristófanes teria colocado o mimo entre os gêneros de que se alimentou a sua comédia? Apesar do esquecimento quase total desse gênero por parte da crítica da arte poética, tanto na Antiguidade quanto na modernidade, não se pode ignorar a sua existência. E Aristófanes não apenas pode ser lido e compreendido como uma fonte crítica rica sobre tal assunto, mas, mais que isso, pode ser compreendido como um poeta cuja poesia, ao fazer crítica literária do teatro de seu tempo, ou seja, de seu contexto próximo, nutria-se, ao mesmo tempo, da matéria que criticava.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/45765
metadata.dc.type: Resumo
Appears in Collections:EPPG - Resumo de trabalhos apresentados em eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_resumo_eve_farsilva.pdf49,19 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.