Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/4527
Title in Portuguese: Avaliação da reação do paciente durante a administração de anestesia local com seringa convencional ou com controle de punção
Author: Costa, Raquel Campelo Ferreira da
Advisor(s): Moreira Neto, José Jeová Siebra
Keywords: Anestesia Local
Dor
Ansiedade
Issue Date: 2012
Citation: COSTA, R. C. F. da. Avaliação da reação do paciente durante a administração de anestesia local com seringa convencional ou com controle de punção. 2012. 51 f. Dissertação (Mestrado em Odontologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2012.
Abstract in Portuguese: A anestesia local, utilizada como procedimento de rotina em Odontologia para permitir a realização de um tratamento indolor, por si já apresenta algum grau de dor/desconforto ao paciente, contribuindo para aumentar o medo e a ansiedade no tratamento odontológico em crianças e adultos. Este trabalho teve como objetivo avaliar a reação do paciente durante a anestesia local com seringa convencional e com um dispositivo que controla a punção inicial da agulha. Para tanto a amostra foi composta por 57 crianças, entre nove e 13 anos de idade, de ambos os gêneros, dividida por randomização em dois grupos: G1 e G2, de acordo com o dispositivo utilizado na primeira sessão: seringa convencional ou dispositivo com controle da punção inicial da agulha. A técnica anestésica utilizada foi a anestesia infiltrativa terminal no sulco vestibular da maxila. O mesmo operador, odontopediatra, anestesiou todas as crianças com os dois dispositivos perfazendo um total de 114 sessões anestésicas, sendo cada criança seu próprio controle. Ao final da segunda sessão anestésica solicitou-se que a criança escolhesse o dispositivo de preferência. A avaliação foi realizada utilizando-se os seguintes métodos: Dental Subscale of the Children’s Fear Survey Schedule CFSS-DS, média da frequência de batimentos cardíacos através do uso de um oxímetro de pulso, Escala Comportamental de Frankl, Escala de Ansiedade Facial, Escala Análoga Visual e Escala SOM (Som, Olhos e Movimentos), em quatro momentos do atendimento odontológico, previamente determinados: sala de espera (SE), cadeira odontológica (CO), início da anestesia (IA) e final da anestesia (FA). De acordo com os resultados 72% da amostra demonstrou baixo nível de ansiedade (CFSS-DS) e predominância do comportamento definitivamente positivo (Escala de Frankl) em todos os momentos avaliados (SE, CO, IA e FA) com os dois dispositivos. Não houve diferença estatisticamente significante (P> 0,05) nas médias de dor relatadas pelas crianças entre os dois dispositivos testados. No entanto, houve alta correlação entre dor e ansiedade relatadas pela criança (P< 0,0001) e entre a ansiedade relatada e a dor observada pela escala SOM (P=0,003). Apesar de não ter sido estatisticamente significante, houve maior preferência das crianças pelo dispositivo com controle da punção inicial da agulha. Concluiu-se assim que a utilização do dispositivo com controle da punção inicial da agulha não promoveu diferença na reação entre as crianças do presente estudo em relação à seringa convencional, quanto à dor/desconforto e à ansiedade.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/4527
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:DCOD - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_dis_rcfcosta.pdf1,19 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.