Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/43718
Title in Portuguese: Determinação dos níveis de anticorpos séricos e salivares AntiPGL-1 de contatos, com idade inferior a 15 anos, de pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Rio Largo, Alagoas
Author: Cunha Júnior, José Evandro
Advisor(s): Dias, Aparecida Tiemi Nagao
Co-advisor(s): Yaochite, Juliana Navarro Ueda
Keywords: Hanseníase
Imunoglobulina A
Imunoglobulina M
Imunoglobulina G
Saliva
Issue Date: 19-Feb-2018
Citation: CUNHA JUNIOR, J. E. Determinação dos níveis de anticorpos séricos e salivares AntiPGL-1 de contatos, com idade inferior a 15 anos, de pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Rio Largo, Alagoas. 2018. 78 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.
Abstract in Portuguese: A hanseníase é considerada um grave problema de saúde pública devido ao seu difícil controle epidemiológico e ao risco de ocasionar incapacidades físicas importantes. A investigação de marcadores sorológicos, tal como o anti-PGL-1, anticorpo direcionado a um glicolipídio presente na parede celular da bactéria causadora da hanseníase, tem se mostrado de suma importância na investigação da exposição ao bacilo e na estimativa do tempo de exposição ao mesmo. O presente estudo teve como objetivo determinar os níveis de anticorpos anti-PGL-1, séricos e salivares, de contatos intra e peridomiciliares, com idade inferior a 15 anos, de pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Rio Largo (AL) nos anos de 2015 e 2016, e correlaciona-los com dados clínicos obtidos em exames dermatoneurológico, com a finalidade de se estimar a real situação do município em relação à hanseníase. A determinação dos anticorpos séricos e salivares anti-PGL-1 foi realizada por método enzimático em fase sólida (ELISA). Participaram do estudo 68 contatos, com idade média 9,9 ± 2,9 anos, sendo 38 do sexo masculino e 30 do sexo feminino. Trinta e oito são contatos de pacientes multibacilares e 19 de pacientes paucibacilares, 22 são contatos intradomiciliares e 44 peridomiciliares. Do total, 17 apresentaram manchas suspeitas. No ano de 2015, 66 contatos foram avaliados. Em ambos os anos do estudo, os níveis de IgM antiPGL-1 se apresentaram mais elevados em relação aos níveis de IgA, que por sua vez, maiores que os de IgG. No ano de 2015, não foi observada correlação entre nenhum isotipos analisados. Os níveis de IgG se mostraram mais altos em contatos de pacientes multibacilares. Os níveis de IgM sérica anti-PGL-1 se mostraram mais elevados em contatos intradomiciliares. No ano, foram avaliados 44 contatos. Em relação aos anticorpos séricos, IgG e IgA anti-PGL-1 apresentaram uma correlação positiva baixa. Os níveis séricos de IgG se mostraram mais elevados em contatos paucibacilares. Não houve diferença estatística significante entre os contatos intradomiciliares e peridomiciliares. Quanto aos anticorpos salivares anti-PGL-1, os níveis de IgM se apresentaram mais elevados em relação aos níveis de IgA, apresentando também, uma correlação positiva alta entre eles. No entanto, não apresentaram diferença estatística quando avaliados quanto à forma clínica do caso índice, o tipo de residência e a presença de manchas suspeitas. Sem significância estatística também quando avaliados com os anticorpos séricos correspondentes. Quando comparados entre os anos de 2015 e 2016, os títulos séricos de IgM apresentaram correlação positiva alta e a IgA se mostrou mais elevada no ano de 2015. Foi observado que seis contatos apresentaram soropositividade para IgM e IgA, sérica e/ou salivar, simultaneamente. Desta forma, torna-se necessário que esses contatos sejam acompanhados pelo fato de apresentarem um risco maior de evoluir para doença, quando comparados aos contatos que não apresentaram esse tipo de alteração. Apesar das limitações, os resultados encontrados sugerem que anticorpos anti-PGL- 1 séricos, IgM, IgG e IgA, e salivares, IgM e IgA, possam ser utilizados na investigação de contatos para avaliação do risco de evolução para doença.
Abstract: Leprosy is considered a serious public health problem due to its difficult epidemiological control and the risk of causing major physical disabilities. Investigation of serological markers, such as the anti-PGL-1 antibody, targeting a glycolipid present on the cell wall of the leprosy-causing bacteria, has been of paramount importance in investigating exposure to bacillus and estimating exposure time to same. The aim of the present study was to determine the levels of anti-PGL-1 antibodies, serum and salivary, from intra and peridomiciliary contacts, aged less than 15 years, from patients diagnosed with leprosy in the city of Rio Largo (AL) in the 2015 and 2016, and correlates them with clinical data obtained in dermatoneurological examinations, to estimate the real situation of the municipality in relation to leprosy. The determination of anti-PGL-1 serum and salivary antibodies was performed by solid phase enzymatic method (ELISA). The study included 68 contacts, with a mean age of 9.9 ± 2.9 years, 38 males and 30 females. Thirty-eight are contacts of multibacillary patients and 19 of paucibacillary patients, 22 are intra-domiciliary contacts and 44 are peridomiciliary contacts. Of the total, 17 had suspicious spots. In the year 2015, 66 contacts were evaluated. In both years of the study, anti-PGL-1 IgM levels were higher than IgA levels, which in turn were higher than IgG levels. In the year 2015, no correlation was observed between any analyzed isotypes. IgG levels were higher in contacts of multibacillary patients. Serum anti-PGL-1 IgM levels were higher in intradomiciliary contacts. In 2016, 44 contacts were evaluated. In relation to serum antibodies, anti-PGL-1 IgG and IgA showed a low positive correlation. Serum IgG levels were higher in paucibacillary contacts. There was no statistically significant difference between the intradomiciliary and peridomiciliary contacts. As for anti-PGL-1 salivary antibodies, IgM levels were higher in relation to IgA levels, and had a high positive correlation between them. However, they did not present statistical difference when evaluated as to the clinical form of the index case, the type of residence and the presence of suspicious spots. No statistical significance was also assessed when evaluating the corresponding serum antibodies. When compared between the years 2015 and 2016, serum IgM titers showed a high positive correlation and IgA was higher in the year 2015. It was observed that six contacts showed seropositivity for IgM and IgA, serum and / or salivary, simultaneously. Therefore, it is necessary for these contacts to be accompanied by the fact that they present a higher risk of progression to disease, when compared to contacts that did not present this type of change. Despite the limitations, the results suggest that serum anti-PGL-1, IgM, IgG and IgA, and salivary, IgM and IgA antibodies can be used in the investigation of contacts to assess the risk of progression to disease.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/43718
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:DFAR - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_dis_jecunhajunior.pdf4,56 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.