Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/42763
Title in Portuguese: Conflitos na Madeira-Mamoré: confluências migratórias e interação étnica na luta operária, 1878
Author: Barboza, Edson Holanda Lima
Cândido, Tyrone Apollo Pontes
Keywords: Circuito do capital
Amazônia - pecuária
Amazônia - habitação
Issue Date: 2012
Publisher: Expressão Gráfica; Wave Media
Citation: BARBOZA, Edson Holanda Lima, CÂNDIDO, Tyrone Apollo Pontes. Conflitos na Madeira-Mamoré: confluências migratórias e interação étnica na luta operária, 1878. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA, 3.; SEMINÁRIO DE PESQUISA DO DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA DA UFC, 10., 1-3 out. 2012, Fortaleza (Ce). Anais... Fortaleza (Ce): Expressão Gráfica; Wave Media, 2012.
Abstract in Portuguese: Matas e rios da Amazônia ainda hoje representam obstáculos à inserção da floresta aos circuitos do capital. Usinas hidrelétricas, o agronegócio e a pecuária persistem uma tentativa secular de romper o isolamento de uma das últimas “fronteiras coloniais” do mundo. No passado, como ainda hoje, desprezam as populações tradicionais, tratadas como um entrave a mais de uma modernização dita inquestionável. Os povos ribeirinhos, compostos em grande parte por etnias indígenas ou comunidades de mestiços, vêm sendo classificados desde as primeiras ocupações portuguesas como inaptos ao trabalho, vadios, ociosos, rebeldes. Na verdade, o próprio rebaixamento moral – incriminizador e preconceituoso – das populações tradicionais encontra-se a serviço de projetos associados a uma ordem capitalista em avanço. Seringais, castanhais, colônias agrícolas e obras de infraestrutura de pequeno ou grande porte foram criados sob a enganosa alegação do povoamento, como se se tratasse de uma terra sem povo, sem dono, sem lei. Hoje são os autodenominados “povos da floresta” quem se ergue em defesa das gentes, matas e águas da Amazônia, dando prosseguimento a uma história que ainda está longe de encontrar o seu final. Uma parte desta história ocorreu em 1878, quando centenas de trabalhadores confluíram às obras de construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, em mais uma expedição que resultaria em tragédia e decepção, como tantas as que ocorreram para a consecução daquele empreendimento.ii A abertura de passagens para os caminhos de ferro era atividade bastante complexa. Envolvia o deslocamento de equipamentos e máquinas e dependia de capital estrangeiro. Mas, a maior dificuldade era a grandiosidade da floresta. As vazantes dos rios, as recorrentes cheias, as cachoeiras tornavam muitos dos serviços executados esforços despendidos em vão. Também as chuvas deixavam os terrenos encharcados, ficando por meses submersos, limitando as jornadas de trabalho e tornando cada tarefa mais dura. [...]
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/42763
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
ISBN: 978 85 4200 096 2
Appears in Collections:DHIS - Trabalhos apresentados em eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_eve_ehlbarboza.pdf373,13 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.