Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/42715
Title in Portuguese: Política creditícia no Brasil: O sertão vai virar mar?
Author: Vasconcelos, Joyciane Coelho
Advisor(s): Matos, Paulo Rogério Faustino
Keywords: Política creditícia
Formação de clubes de convergência
Desigualdade social
Issue Date: 2011
Citation: VASCONCELOS, J.C. (2011)
Abstract in Portuguese: A Região Nordeste do Brasil – caracterizada pelo menor produto interno bruto per capita, pelos maiores índices de pobreza e desigualdade e menores níveis de desenvolvimento humano e bem estar – necessitaria de quase 35 anos para poder atingir o mesmo nível do estoque de crédito total real per capita das regiões Sul e Sudeste, ceteris paribus, com base nos dados até dezembro de 2009. Neste contexto de disparidade, este artigo se posiciona ao abordar empiricamente as questões associadas à relação entre o mercado de crédito e crescimento aliado à distribuição de renda e geração de bem estar. As principais evidências obtidas entre janeiro de 2004 e dezembro de 2009, a partir do uso da técnica de Phillips e Sul (2007), sugerem não haver uma convergência global da trajetória de crédito, sendo a formação dos dois clubes fortemente caracterizados pelo aspecto regional, com representativa presença das unidades federativas da região Nordeste no segundo clube, além de estados da região Norte. Além do aspecto regional, a inadimplência, o Produto Interno Bruto per capita, a proporção de pobres e o Índice de Desenvolvimento Humano são variáveis que caracterizam nitidamente as diferenças entre os dois clubes, sugerindo que as mesmas possam ser usadas em estudos de análise discriminante. É possível inferir que a atual política creditícia, divergente e excludente das classes mais pobres, não consiste em um vetor social eficiente capaz de agregar na redução das desigualdades do Brasil.
Abstract: The Brazilian northeast region of Brazil – characterized by the lowest per capita gross domestic product, the highest rates of poverty and inequality and lowest human development and wellbeing indices – would need almost 35 years to be able to achieve the same total real credit per capita level of South and Southeast regions, ceteris paribus, based on data up to December 2009. In this context of disparity, this article intends to address empirically the issues associated with the relationship between the credit market and growth, allied to income distribution and wellness. The main evidence obtained between January 2004 and December 2009, using the Phillips and South (2007) methodology, suggests that there is not a global and unique convergence for the trajectory of credit, but the formation of two clubs strongly characterized by the regional aspect, with representative presence of states of the northeast region in the second club, in addition to some states of the north one. In addition to the regional aspect, the default rates, the per capita gross domestic product, the proportion of poor people and the human development index are variables that characterize clearly the differences between the two clubs, suggesting that they can be used in studies of discriminant analysis. It is possible to infer that the current credit policy, divergent and exclusionary of the poorer classes, is not an efficient social vector capable of aggregating in reducing inequalities of Brazil.
Description: VASCONCELOS, J.C. Política creditícia no Brasil: O sertão vai virar mar? 2011. 42f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Econômicas) - Universidade Federal do Ceará - campus Sobral, Sobral, 2011.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/42715
Appears in Collections:CIÊNCIAS ECONÔMICAS - SOBRAL - Monografias

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_tcc_jcvasconcelos.pdf884,14 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.