Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/4244
Title in Portuguese: Perfil de utilização de antimicrobianos na unidade de terapia intensiva da Santa Casa de Misericordia de Fortaleza
Title: Utilisation Profile of Antimicrobial in the intensive care unit at Santa Casa de Misericordia de Fortaleza
Author: Sousa, Paulo Cesar Pereira de
Advisor(s): Nogueira, Nadia Accioly Pinto
Keywords: Unidade Terapia Intensiva
Antibacterianos
Farmacorresistência Bacteriana
Issue Date: 2006
Citation: SOUSA, P. C. P. Perfil de utilização de antimicrobianos na unidade de terapia intensiva da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza. 2006. 107 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem Ciências Farmacêuticas, Fortaleza, 2006.
Abstract in Portuguese: Perfil de utilização de antimicrobianos na unidade de terapia intensiva da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza Os antibióticos são as drogas mais prescritas nas Unidades de Terapia Intensiva e o aumento constante da resistência bacteriana a essas drogas é uma ameaça à saúde pública. A vigilância do uso de antimicrobianos é um dos pré-requisitos essencial para a promoção do controle da resistência. No período de 01 de Novembro de 2005 a 30 de junho de 2006, foi realizado um estudo observacional, descritivo e prospectivo, onde foram avaliados os prontuários de pacientes internados na Unidade Terapia Intensiva (UTI) da Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza. Foram observados 157 pacientes através de seus prontuários e formulários estruturados. As características sócio-demográficas, os fatores de riscos associados à evolução clínica e a identificação e perfil de resistência bacteriano foram estudadas. A utilização de antimicrobianos foi avaliada com o objetivo de disponibilizar subsídios para o uso adequado e racional desses fármacos. Os dados coletados foram analisados no SPSS versão 10.0. Os pacientes apresentaram uma media de 66 anos de idade e a mortalidade entre os maiores de 60 anos foi de 60,0%. As hipóteses diagnósticas mais freqüentes, infecção respiratória (28,7%) e sepse (15,9%), foram associadas a 48,9% e 80% dos óbitos, respectivamente. Cerca da metade dos pacientes que fizeram uso de cateter venoso central e ou de cateter urinário, 62,4% e 87,3%, respectivamente, evoluíram para óbito. A antibioticoterapia frequentemente não foi baseada nos padrões de sensibilidade microbiana e o consumo de antibióticos foi de 182,8 Dose Diária Definida (DDD) por 100 leitos-dia. Predominou o uso de β-lactâmicos (107,8 DDD por 100 leito-dias), os antimicrobianos mais consumidos foram ceftriaxona (31,9%), ciprofloxacina (16,9%) e clindamicina (14,4%) e o maior valor de DDD foi para ceftriaxona (50,3 DDD/100 leito-dias). A resistência bacteriana foi elevada para a maioria dos antibióticos utilizados, especialmente aos β-lactâmicos. Os bacilos Gram-negativos foram mais freqüentes (71,1%), especialmente P. aeruginosa (21,7%). A espécie predominante foi S. aureus (22,9%). 77,8% e 84,2% das cepas de P. aeruginosa e S. aureus foram resistentes a cefalotina e à penicilina, respectivamente, e 47,4 % dos isolados de S. aureus apresentaram resistência à Oxacilina e 0,6% à Vancomicina. A maioria dos pacientes (54,1%) foi a óbito. O amplo perfil de resistência aos antimicrobianos constatado nesse estudo segue o padrão atual, onde a maioria dos isolados são resistentes aos β-lactâmicos e pertencem aos gêneros Pseudomonas e Staphylococcus. A elevada resistência das cepas de S. aureus à oxacilina é motivo de grande preocupação, devido à limitação terapêutica que essa resistência determina. Os resultados obtidos nesse trabalho mostram a necessidade de se monitorar o uso de antibacterianos e a ocorrência de resistência bacteriana em UTI’s, no sentido de minimizar os fatores que predispõem ao aumento da morbidade e mortalidade. A promoção de ações educativas, da vigilância permanente das cepas bacterianas hospitalares e de uma política racional para o uso de antimicrobianos são medidas de imensa importância na prevenção e no controle dessa situação.
Abstract: Antibiotics are the most prescribed drugs at the Intensive Care Units. Bacteria has become more and more resistant to those drugs, which represents a threat of public health. Keeping eyes on the use of antimicrobic agents is one of the essential preconditions to control that resistance. In the period of November 1st 2005 to June 30th 2006, was verified an observational study, descriptive and prospective, where were evaluated the handbook of patients on Intensive Care Unit (ICU) of “Santa Casa de Misericórdia de Fortaleza”. About 157 patients were observed and their handbook and structured forms. The social-demographic characteristics, the factors of risk associated to clinic evolution and the identification and profile of bacterial resistance were studied. The use of antimicrobic was evaluated with the objective to available subsidies to a good and rational use of drugs. The collected data were analyzed on the SPSS, version 10.0. The patients presented an average of 66 years old and the mortality between the elderly people was 60%. The most frequent diagnosed hypotheses were respiratory infection (28.7%) and sepses (15.9%), associated to 48.9% out of 80% of the total registered deaths. About half of those who made use of veinal or urinary catheters - 62.4% and 87.3%, respectively, came to die. It was found that the antibiotic therapy applied in those patients was not based on the microbiotic sensitiveness patterns, and the antibiotic consume was 182,8 DDD (daily dose definite) per bed a day. The most given antibiotic were the ß-lactamics (107.8 DDD per 100 beds a day), such as ceftriaxone (31.9%), ciprofloxacin (16.9%) and clindamicin (14.4%). The highest dose of antibiotic given was ceftriaxone (50.3 DDD/100 beds a day). The Gram-negative bacilli were more often (71.1%), especially P. aeruginose (21.7%). The most predominant species was S. aureus (22.9%). 77.8% and 84.2% of ceps displayed tough toward cefalotin and penicillin, respectively. Most of patients (54.1%) died, though they were under antibiotic therapy. The broad profile of resistance at antibiotics shown in this research follows the recent patterns, which state that the most of the isolated patients are resistant to the ß-lactamics, such as Pseudomonas and Staphylococcus. Scientists have become more concerned about the future, due to the high therapeutic limitation. The outcomes displayed in this essay aims to point out the necessity of monitoring the sue of antibiotics at Intensive Care Units, in order to minimize the causes of mortality due to the abuse of antibiotics. Educational actions, in order to promote a permanent guard on the use of antibiotics at hospitals, along with a rational politic to regulate the their use are very important measures to prevent and control such restless situation.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/4244
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:DFAR - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2006_dis_pcpsousa.pdf1,17 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.