Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/34626
Title in Portuguese: Padrões espaciais, temporais e clínico-epidemiológicos da hanseníase no Brasil, 2011 a 2015
Title: Spatial, temporal and clinical-epidemiological patterns of leprosy in Brazil, 2011 to 2015
Author: Florêncio, Caroline Mary Gurgel Dias
Advisor(s): Alencar, Carlos Henrique Morais de
Keywords: Hanseníase
Epidemiologia
Issue Date: 17-Jul-2018
Citation: FLORÊNCIO, C. M. G. D Padrões espaciais, temporais e clínico-epidemiológicos da hanseníase no Brasil, 2011 a 2015. 2018. 158 f. Tese (Doutorado Saúde Pública) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.
Abstract in Portuguese: Uma das questões importantes, mas pouco abordadas é o padrão epidemiológico desigual de ocorrência da hanseníase nos municípios brasileiros. Este estudo objetivou caracterizar os padrões epidemiológicos e clínico-operacionais da hanseníase, bem como a tendência temporal e a distribuição espacial dos seus principais indicadores, no Brasil, por município de residência, de 2001 a 2015. A análise se deu através da caracterização de indicadores epidemiológicos e operacionais da hanseníase, além se sua tendência, através do método de pontos de inflexão. Para a análise espacial foram utilizadas as técnicas de abordagem descritiva, Bayesiana Local e estatística Scan espacial dos indicadores coeficiente de detecção geral, detecção em menores de 15, detecção em casos com grau 2 de incapacidade física (GI2) e proporção de casos multibacilares (MB), com a finalidade de encontrar agregados de alto risco para a presença, transmissão e diagnóstico tardio. No período de estudo foram registrados 612.850 casos novos da doença, sendo 46.448 (7,5%) em crianças. O coeficiente de detecção apresentou redução no período, variando de 25,9 (2001) a 14,2 (2015) casos por 100.000 habitantes (Average Annual Percent Change- AAPC: -4,2; IC95%: -5,3 a -3,1). Os demais indicadores também mostraram tendência de redução e estabilização. O coeficiente em menores de 15 anos reduziu de 6,78 em 2001 para 4,55 em 2015 (AAPC: -1,3; IC95%: -4,6 a 2,1), e o de detecção com GI2 reduziu de 1,37 em 2001 para 0,92 em 2015 (AAPC: -2,7; IC95%: -3,6 a -1,7). No entanto, os indicadores de proporção de casos em crianças, GI2 e MB mostraram um aumento significativo. Foram identificados na análise espaço-temporal agregados espaciais com risco elevado para a transmissão da doença, principalmente em municípios localizados nos estados do Pará, Tocantis, Maranhão, Mato Grosso, sul da Bahia e norte do Espírito Santo. O estado do Tocantins e Ceará apresentaram um comportamento singular, visto que no primeiro possui áreas de risco para todos os indicadores, exceto para o MB; já o segundo, não havia áreas de risco, e surgiu uma na região centro-norte após a análise com a proporção de MB. Foi constatado que os municípios que se destacaram como risco para a ocorrência da hanseníase são aqueles que apresentam grandes desigualdades sociais mostrando uma distribuição heterogênea da doença.
Abstract: One of the important but little discussed issues is the unequal epidemiological pattern of occurrence of leprosy in Brazilian municipalities. This study aimed to characterize the epidemiological and clinical-operational patterns of leprosy, as well as the temporal tendency and the spatial distribution of its main indicators in Brazil, by municipality of residence, from 2001 to 2015. The analysis was done through the characterization of indicators epidemiological and operational aspects of leprosy, in addition to its tendency, through the inflection point method. For the spatial analysis, the techniques of Descriptive Approach, Local Bayesian and Statistical Analysis were used. Spatial analysis of the indicators general detection coefficient, detection in under 15, detection in cases with degree 2 of physical incapacity (GI2) and proportion of multibacillary cases (MB ), in order to find clusters of high risk for presence, transmission and late diagnosis. During the study period, 612,850 new cases of the disease were registered, of which 46,448 (7.5%) were children. The coefficient of detection showed a reduction in the period, ranging from 25.9 (2001) to 14.2 (2015) cases per 100,000 inhabitants (Average Annual Percent Change - AAPC: -4.2; 95% CI: -5.3 a - 3.1). The other indicators also showed a tendency of reduction and stabilization. The coefficient for children younger than 15 years decreased from 6.78 in 2001 to 4.55 in 2015 (AAPC: -1.3, 95% CI: -4.6 to 2.1), and the GI2 detection reduced from 1 , 37 in 2001 to 0.92 in 2015 (AAPC: -2.7; 95% CI: -3.6 to -1.7). However, the indicators of the proportion of cases in children, GI2 and MB showed a significant increase. Spatial aggregates with high risk for disease transmission were identified in the spatio-temporal analysis, mainly in municipalities located in the states of Pará, Tocantis, Maranhão, Mato Grosso, southern Bahia and northern Espírito Santo. The state of Tocantins and Ceará presented a singular behavior, since in the first one there are risk areas for all the indicators, except for MB; the second, there were no risk areas, and one emerged in the center-north region after the analysis with the MB ratio. It was found that the municipalities that stood out as risk for the occurrence of leprosy are those that present great social inequalities showing a heterogeneous distribution of the disease.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/34626
Appears in Collections:DSC - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_tese_cmgdflorencio.pdf3,94 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.