Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/31399
Título: Anticorpos IgM e IgG contra Escherichia coli HS, citocina TGF- β, C3 e proteína C-reativa em pacientes HIV positivos
Título em inglês: IgM and IgG antibodies against Escherichia coli HS, cytokine TGF-β, C3 and C-reactive protein in HIV-positive patients
Autor(es): Mateus, Camila dos Santos
Orientador(es): Dias, Aparecida Tiemi Nagao
Palavras-chave: Receptores de Lipopolissacarídeos
HIV
Terapia Antirretroviral de Alta Atividade
Biomarcadores
Complemento C3
Data do documento: 9-Mar-2018
Citação: MATEUS, C. S. Anticorpos IgM e IgG contra Escherichia coli hs, citocina TGF- β, C3 e proteína C-reativa em pacientes HIV positivos. 2018. 78 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.
Resumo: A ativação crônica do sistema imunológico é característica da infecção progressiva pelo HIV. Isso pode estar relacionado com a replicação viral e/ou outras causas, como a translocação microbiana. O presente trabalho tem como objetivo avaliar marcadores de alteração da resposta imune e correlacioná-los com a resposta à terapia antirretroviral em pacientes infectados com HIV. Um total de 130 pacientes atendidos no Serviço de Atenção Especializada em HIV/AIDS do Núcleo de Atenção Médica e Integrada, Universidade de Fortaleza, foram incluídos nesse estudo. A determinação dos níveis de anticorpos IgG, IgM, IgG1, IgG2 foi realizada através de método imunoenzimático em fase sólida, utilizando-se extrato de Escherichia coli HS rico em lipopolissacárideos. As determinações de C3, imunoglobulina G, IgM e proteína C reativa (PCR) foram realizadas através de método imunoturbidimétrico. Os pacientes foram classificados em três grupos: Grupo I: pacientes HIV sem terapia antiretroviral (TARV); Grupo IIA (avirêmicos): pacientes HIV que apresentaram supressão viral completa após um ano de TARV; Grupo IIB (virêmicos): pacientes HIV que apresentaram supressão viral incompleta após um ano de TARV. Os anticorpos IgM anti- E.coli HS estavam significativamante mais elevados no Grupo HIV-negativo comparado ao Grupo II B (p< 0,001). Os títulos de IgM anti- LPS apresentaram correlação com os níveis totais de IgM total no Grupo HIV-negativo (r= 0,532; p= 0,0004) e no Grupo IIA avirêmico (r= 0,327; p= 0,001). Os níveis de IgG anti- LPS e de IgG 2 anti- E.coli HS estavam mais elevados no Grupo HIV-negativo em comparação ao Grupo IIB virêmico (p= 0,05; p= 0,05). Os títulos de IgG anti- LPS estavam correlacionados com os níveis séricos totais de IgG no Grupo HIV-negativo (r= 0,378; p= 0,016), Grupo I sem terapia (r= 0,96; p= 0,002) e Grupo IIB virêmico (r= 0,378; p= 0,00016). Observou-se também correlação entre IgG anti- E.coli HS e PCR nos individuos em uso de TARV (r= 024; p= 0,012). Os níveis de C3 estavam na faixa de normalidade para todos os grupos; no entanto, mesmo assim, foram observados valores mais altos no Grupo HIV-negativo do que nos Grupos I e IIA (p> 0,0001) e no Grupo IIB (p= 0,05). Os níveis da citocina TGF- β estava significativamente mais elevados no Grupo HIV-negativo, quando comparados ao Grupo II B (p= 0,03). Observou-se correlação entre TGF- β e IgM anti- E.coli HS no Grupo I sem terapia (r= -0,462; p= 0,027). Podemos sugerir que os marcadores estudados no presente estudo podem de alguma forma, contribuir para o seguimento de indivíduos HIV positivos que usam TARV. Eles apresentam custo relativamente baixo e podem ser facilmente implantados em qualquer laboratório clínico. Estudos adicionais com maior número de pacientes sob uso de TARV com supressão viral incompleta são necessários.
Abstract: Chronic activation of the immune system is characteristic of progressive HIV infection. This may be related to viral replication and/or other causes, such as microbial translocation. The present work aims to evaluate markers which could represent altered immune response and to correlate them with the response to antiretroviral therapy in patients infected with HIV. A total of 130 patients attended in the HIV / AIDS Specialized Attention Service of the Nucleus of Medical and Integrated Attention, University of Fortaleza, were included in this study. The levels of IgG, IgM, IgG1, IgG2 antibodies were determined using a solid-phase immunoenzymatic method using lipopolysaccharide-rich Escherichia coli HS extract. C3, immunoglobulin G, IgM and C-reactive protein (CRP) determinations were performed by immunoturbidimetric method. Patients were classified into three groups: Group I: HIV patients without antiretroviral therapy (ART); Group IIA (aviremic): HIV patients who had complete viral suppression after one year of ART; Group II B (viraemic): HIV patients who presented incomplete viral suppression after one year of ART. Anti-E. coli HS IgM antibodies were significantly higher in the HIV-negative group compared to other groups (p <0.01) and also compared to viremic Group IIB it was even more significant (p <0.0001). Anti-LPS IgM titres correlated with total IgM levels in the HIV-negative group (r = 0.532, p = 0.0004) and aviremic Group IIA (r = 0.327, p = 0.001). Anti-LPS IgG and anti-E. coli HS IgG levels were higher in the HIV-negative group compared to viremic Group IIB (p = 0.05; p = 0.05). Anti-LPS IgG titres were correlated with total IgG serum levels in the HIV-negative group (r = 0.378, p = 0.016), Group I without therapy (r = 0.96, p = 0.002), and viremic Group IIB (r = 0.378, p = 0.00016). There was also a correlation between anti-E. coli HS IgG and CRP in individuals using ART (r = 024; p = 0.012). C3 levels were in the normal range for all groups; nonetheless, higher values were observed in the HIV-negative group than in the Groups I and IIA (p> 0.0001) and in the Group IIB (p = 0.05). TGF-β cytokine levels were significantly higher in the HIV-negative group when compared to the Group II A (p = 0.03). A correlation was observed between TGF-β and IgM anti- E. coli HS in Group I without therapy (r = -0.462; p = 0.027). We can suggest that the markers studied in the present study may somehow contribute to the follow-up of HIV positive individuals using ART. The markers are relatively low in cost and can be easily deployed in any clinical laboratory. Further studies with higher number of patients under ARV treatment are necessary to demonstrate their usefulness.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/31399
Aparece nas coleções:DFAR - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2018_dis_csmateus.pdf1,65 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.