Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/31282
Title in Portuguese: Degradação do herbicida atrazina por consórcios de bactérias formadoras de biofilme
Author: Ferreira, Thiara do Amaral
Advisor(s): Sousa, Oscarina Viana de
Co-advisor(s): Rebouças, Rosa Helena
Keywords: Herbicidas
Biodegradação
Toxicologia ambiental
Biofilme
Issue Date: 2016
Publisher: Instituto de Ciências do Mar
Citation: FERREIRA, T. do A. (2016)
Abstract in Portuguese: A agricultura é uma das principais bases da economia brasileira. Com o advento da revolução verde o processo de produção agrícola foi modificado e houve um estímulo ao uso de substâncias químicas com o intuito de controlar as pragas nas lavouras e aumentar a produtividade. Os herbicidas se destacam nessa atividade correspondem a 45% do total dos agrotóxicos comercializados usados com a finalidade de remover ervas daninhas que competem com a cultura agrícola. A atrazina (2-cloro-4-etilamino-6-isopropiliamino-s-triazina) é um desses herbicidas usado intensivamente em todo o mundo e seu uso indiscriminado acarreta impactos sobre as matrizes ambientais.A principal via de dissipação de atrazina no ambiente inclui a biodegradação portanto, a prospecção de microrganismos com a capacidade de biotransformar ou degradar a atrazina é uma alternativa viável para processos de mitigação ambiental. Dessa forma, o objetivo desse trabalho foi analisar a capacidade de degradação do herbicida atrazina por consórcios bacterianos formadores de biofilmes. Foram realizados testes fenotípicos com intuito de detectar a capacidade de formação de biofilme, teste de degradação da atrazina, teste de antagonismo, formação de consórcios bacterianos de águas salinas e doces, quantificação do biofilme e testes fitotoxicológicos com vegetal com o intuito de monitorar a degradação do herbicida através da redução de seu efeito sobre um indicador vegetal. Foi possível selecionar bactérias aptas para formação dos biofilmes, degradadoras de atrazina,que não produziram substâncias antagônicas e que unidas em consórcios bacterianos foram capazes de crescer ou tolerar o herbicida em todas as concentrações testadas. Os biofilmes foram formado sem superfícies de polietileno de alta densidade (PEAD) usando bactérias isoladas de ambientes salinos (em condição de crescimento com 1%NaCl) e dulcícolas, separadamente.Os consórcios bacterianos mostraram capacidade de utilização da atrazina como fonte de carbono e nitrogênio o que os coloca como alternativa viável de biorremediação de áreas contaminadas com atrazina. O teste fitotoxicológico foi eficaz na análise da redução da toxicidade desse herbicida,pois foi possível detectar os efeitos letais e subletais sobre as sementes de pepino Aodai, entretanto,são necessários mais experimentos para validar essa técnica.
Description: FERREIRA, T. do A. Degradação do herbicida atrazina por consórcios de bactérias formadoras de biofilme. 2016. 66 f. Monografia (Graduação em Ciências Ambientais) - Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/31282
metadata.dc.type: TCC
Appears in Collections:CIÊNCIAS AMBIENTAIS - TCC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_tcc_tdoaferreira.pdf1,18 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.