Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/29060
Title in Portuguese: A influência das pressões institucionais na divulgação dos projetos de mudanças climáticas em empresas de petróleo e gás natural
Author: Albuquerque, Sâmia Raquel Castor
Advisor(s): Abreu, Mônica Cavalcanti Sá de
Keywords: Mudanças climáticas
Ambiente Institucional
Responsabilidade social da empresa
Issue Date: 2013
Citation: ALBUQUERQUE, Sâmia Raquel Castor. A influência das pressões institucionais na divulgação dos projetos de mudanças climáticas em empresas de petróleo e gás natural. 2013. 102 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Economia, Administração, Atuária e Contabilidade, Programa de Pós-graduação em Administração e Controladoria, Fortaleza-CE, 2013.
Abstract in Portuguese: O estudo objetiva investigar as forças exercidas pelo ambiente institucional sobre projetos de mudanças climáticas evidenciados em Relatórios Socioambientais de organizações petrolíferas divulgadas pela Fortune. A metodologia desenvolvida na pesquisa tem característica exploratória com abordagem qualitativa e possui o auxílio do software NVivo 10 para o processamento dos dados coletados. A investigação foi efetuada em uma amostra de 35 companhias e, através da codificação entre categorias e análise de agrupamentos, constatou-se que a maioria das multinacionais que possui as informações mais completas em seu RSA encontra-se nos melhores posicionamentos do ranking elaborado pela Fortune . Desta forma, embora a evidenciação ambiental não seja prática da maioria das empresas, ela ainda é realizada predominantemente por grandes companhias, como também a conduta dessas organizações é influenciada pela pressão do ambiente institucional. Os achados da pesquisa ainda indicam que as maiores organizações são mais suscetíveis a obterem características predominantes do pilar normativo, uma vez que as multinacionais que possuem visibilidade expressiva lidam com esse espectro mais amplo e complexo de pressões de desenvolvimento sustentável em suas operações. Portanto, elas adotam os modelos da indústria na qual estão inseridas em seu contexto local enfraquecendo, assim, a predominância do pilar mimético. Destarte, ocorreram exceções em empresas de países menos desenvolvidos visto que, apesar de liderarem as primeiras colocações no ranking da Fortune, estas organizações não possuíram desempenho satisfatório com relação à qualidade do seu disclosure. Assim, defende-se que as questões ambientais são geralmente negligenciadas nos países menos desenvolvidos, onde o foco na mudança climática pode não ser tão importante quanto a necessidade de investimentos sociais para combater a pobreza, por exemplo. Logo, também se infere que as multinacionais não sofrem tantas pressões do isomorfismo coercitivo quando o normativo porque há falta de regulamentação clara e mecanismos de aplicação a nível internacional. Finalmente, concluiu-se que as empresas de petróleo fizeram uso dos três tipos de isomorfismo em suas evidenciações sociais e ambientais no período pesquisado, especialmente o normativo, como estratégia de legitimação na divulgação de suas práticas de Responsabilidade Socioambiental referentes a projetos de mudanças climáticas.
Abstract: The study aims to investigate isomorphic forces that legitimize practices related to climate change projects, evidenced in Social and Environmental Reports of oil companies, released by Fortune. The methodology developed in this research has an exploratory characteristic with qualitative approach and has the assistance of the software NVivo 10 for processing the data collected. The study was conducted on a sample of 35 companies and, through categories codification and cluster analysis, the organizations that have the most complete information on your socio-environmental report have the best placements in the ranking compiled by Fortune. The survey results still indicate that larger organizations are more likely to obtain predominant features of the normative pillar, since multinationals have significant visibility handle this broader spectrum and complex pressures of sustainable development in its operations. Hence, they adopt the models of the industry in which they are embedded in their local context, weakening consequently the predominance of the mimetic pillar. Thus, there were exceptions in companies in less developed countries because, although lead the first places in the Fortune, did not possess satisfactory performance with respect to quality of such disclosure. Therefore, it is argued that environmental issues are often neglected in less developed countries, where the focus on climate change may not be as important as the need for social investments to combat poverty, for example. As a result, also argues that multinationals do not suffer so many pressures of coercive isomorphism as the normative, because there is a lack of clear regulations and enforcement mechanisms at the international level. Finally, it was concluded that the oil companies have made use of three types of isomorphism in the period surveyed as a strategy for the dissemination of their Corporate Social Responsibility practices relating to climate change projects.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/29060
Appears in Collections:PPAC - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2013_dis_srcalbuquerque.pdf724,07 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.