Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/28292
Title in Portuguese: Comportamentos de risco à saúde em jovens de uma capital do Nordeste brasileiro
Title: Health risk behaviors in young people from a Brazilian Northeast capital
Author: Gonzalez, Ricardo Hugo
Advisor(s): Machado, Márcia Maria Tavares
Keywords: Adolescente
Assunção de Riscos
Inquéritos Epidemiológicos
Issue Date: 19-Sep-2017
Citation: GONZALEZ, R. H. Comportamentos de risco à saúde em jovens de uma capital do Nordeste brasileiro. 2017. 180 f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017.
Abstract in Portuguese: Os comportamentos de risco à saúde assumem lugar de destaque na etiologia de diversas doenças crônicas não transmissíveis, que existem e tendem a persistir e mesmo a aumentar nos nossos dias. Muito destes comportamentos que se iniciam durante a infância e adolescência, estão inter-relacionados e são evitáveis. Evidências são essenciais para elaborar políticas públicas e ações de intervenção em Saúde Pública. Objetivo: Estimar a prevalência de Comportamentos de Risco à Saúde em adolescentes, Fortaleza-Ceará-Brasil. Método: Estudo transversal, com 923 adolescentes de 12 a 17 anos. Aplicou-se o questionário Comportamentos de risco à saúde em jovens YRBS. Calcularam-se os IC95% das razões de chances, segundo: sexo, faixa etária, nível socioeconômico, trabalho remunerado e anos de estudo dos pais. Fez a regressão logística binominal como modelo final. Resultados: Foram fatores de risco prevalentes nos meninos: envolvimento em luta corporal (2,0-4,2); não foi fisicamente ativo (2,4-4,5); 2)faixa etária de 15-17 anos: já teve relação sexual (3,3-6,6); já fumou cigarro (1,2-2,8); 3) nível econômico baixo: tristeza com abandono das atividades normais (1,1-4,4); 4) Possuir trabalho remunerado: faltou a escola por insegurança (1,2-5,3); envolvimento em luta corporal (1,4-5,1); 5) Menos de 4 anos de estudos dos pais: jogou em equipes de esportes (1,2-2,3); não foi fisicamente ativo (1,3-2,6). O modelo final ficou constituído para violência: sexo masculino, faixa etária 15-17 anos e não possuir trabalho remunerado; sentimento de tristeza: não possuir trabalho remunerado e faixa etária 15-17 anos; consumo de drogas: faixa etária 15-17 anos; comportamento sexual: faixa etária 15-17 anos; não possuir trabalho remunerado e sexo masculino; ser fisicamente ativo: escolaridade dos pais. Conclusão: as variáveis sociodemograficas explicativas foram: idade, sexo e escolaridade dos pais. Sugerem que ações de promoção da saúde devem iniciar ainda na infância, serem multidisciplinares e abordarem múltiplos comportamentos de riscos, considerando o aumento de exposição com o avançar da idade.
Abstract: Health risk behaviors are prominent in the etiology of several chronic noncommunicable diseases, which exist and tend to persist and even increase in our days. Many of these behaviors that begin during childhood and adolescence are interrelated and preventable. Evidence is essential for public policies and interventions in Public Health. Objective: To estimate the prevalence of risk behaviors to health in teenagers, Fortaleza-Ceará-Brazil. Method: Cross-sectional study with 923 teenagers aged between 12 and 17 years old. The questionnaire Risk behaviors of health in teenagers YRBS was applied. The IC95% of odds ratios were calculated based on: gender, age, socioeconomic situation, paid employment and parents’ education. Logistic binominal regression was made as final model. Results: Prevalent risk factors in boys: involvement in corporal fight (2,0-4,2); not physically active (2,4-4,5); 2) aged between 15 and 17 years old: have already had sexual activity (3,3-6,6); have already smoked cigarettes (1,2-2,8); 3) low economic level: sadness about the dropped activities (1,1-4,4); 4) Paid employment: absent from school because of insecurity (1,2-5,3); involvement in corporal fight (1,4-5,1); 5) Parents with less than 4 years of study: played in sports teams (1,2-2,3); not physically active (1,3-2,6). The final model was established to violence: male gender, aged between 15-17 years old and do not have paid employment; sadness: do not have paid employment and aged between 15-17 years old; drug consumption: aged between 15-17 years old; sexual behavior: aged between 15-17 years old; do not have paid employment and male gender; be physically active: parents’ education. Conclusion: the explanatory social demographic variables were: age, gender and parents’ education. Suggest that actions for health promotion should initiate in the childhood, should be multidisciplinary and approach multiple risk behaviors considering the increase of exposure with the advancing age. Key words: teenagers, risk behavior, epidemiological surveys.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/28292
Appears in Collections:DSC - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_tese_rhgonzalez-1.pdf2,28 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.