Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/26733
Title in Portuguese: “Navegar é preciso” - cartografando subjetividades em saúde mental.
Title: "Navigating is necessary" - mapping subjectivities in mental health.
Author: Barroso, Claudenia Mesquita
Advisor(s): Catanio, Percy Antonio Galimbertti
Co-advisor(s): Nascimento, Francisca Denise Silva do
Delmiro, Ivaldinete de Araújo
Keywords: Subjetividades
SUS
Saúde mental
Cartografia
Issue Date: 10-Aug-2017
Citation: BARROSO, M. C. (2017)
Abstract in Portuguese: O presente trabalho analisa, a partir de um mapeamento sobre a área de saúde mental, a subjetividade e as influências culturais encontradas nas diversas épocas, que envolvem e definem o universo da loucura; as consequências da rotulação e da inserção da loucura ao rol de doenças, legitimando assim a intervenção sobre a liberdade e a autogestão, através do chamado Poder Psiquiátrico. Nesse sentido a cartografia nos permitiu fazer esse mapeamento crítico, sendo uma ferramenta emprestada da área de geografia, onde é utilizada para mapear territórios e populações; mas aqui buscamos mapear as relações sociais e seus aspectos presentes nos processos de cuidados em saúde. A pesquisa foi realizada no CAPS Geral II de Sobral, onde foram realizadas entrevistas semiestruturadas com profissionais e usuários do serviço. E também traz a narrativa de como se deu a Reforma Psiquiátrica no Brasil e em Sobral especificamente, propiciando o surgimento de novas práticas de cuidado em saúde mental. Houve nesse processo de mudança de postura e de como lidar com a doença mental, não só uma transformação do cuidado e acolhimento, mas uma mudança de comportamento e de visão sobre a doença, que resultou em uma profunda mudança do sistema de saúde, em relação ao doente mental, e que chamou a atenção para a questão da sua individualidade e humanidade na sociedade. Questionamentos foram surgindo sobre de que forma o CAPS II de Sobral direciona os cuidados aos usuários? Como são realizadas suas atividades terapêuticas? Que tipo de dificuldades esse dispositivo enfrenta no dia a dia? De que forma pode ser trabalhada a confiança e a autonomia do paciente? De que forma a criatividade pode estar presente nos processos de trabalho dos profissionais e das atividades direcionadas aos usuários? Questões que nos permitiram entender que a visão biologista e médico-centrada, na prática, ainda é forte; que o trabalho interdisciplinar encontra muitas barreiras; que as relações de trabalho são precárias, e que essa precariedade influencia negativamente a todos, trabalhadores e usuários dos serviços; e também nos permitiu perceber que profissionais dedicados exercitam sua criatividade no dia-a-dia, para poder ofertar diversas atividades na tentativa de resgate e fortalecimento da individualidade, da cidadania e da autonomia dos usuários.
Abstract: This work analyses from a mapping prospective the mental health field, the subjectivity, and the cultural influences found throughout the centuries, that involve and define the universe of madness. It also discusses the consequences of labeling, and the insertion of madness among the diseases classification, thus justifying the intervention over the liberty and the right to take care of themselves of those classified as mad, exercising the so-called Psychiatric Authority / Psychiatric Power. Cartography helped us with this task, as a tool borrowed from Geography, where is used in order to map territories and populations, but here we are looking for mapping the social relationships, and their characteristics in the health care processes. The research was conducted at CAPS Geral II, in the city of Sobral, State of Ceara, Brazil, where mental health professionals as well as patients answered a semi-structured interview. It also tells about the Psychiatric Reform, how it was conducted in Brazil, and in the city of Sobral, provoking the surge of new practices of care in mental health. Those processes of change in the ways of dealing with mental health patients led to a transformation not only in the processes of care, but also in a behavioral change, and in the way professionals see the mental illness, which resulted in a deep change of the healthcare system, towards those mentally ill. It also called the attention to the questions about their humanity and their individuality within society. Some questions started to appear, related to the way that CAPS Geral of Sobral takes care of their users: how the professionals conduct the therapeutic activities? Which kind of difficulties happen in a daily basis? In which way could they work to improve patients’ confidence and autonomy? How the creativity could be exercised within the working processes of the mental health professionals, as well within patients’ therapeutic activities? In search for the answers, we understood that the biological and physician-centered approach is still strong, and that there are many barriers to developing or practicing an interdisciplinary teamwork. We also found that the working contracts are precarious, having a negative effect on all, workers and users of the services; we also found, however, that dedicated professionals use their creativity every day in order to provide the users with various activities, attempting to rescue and fortify the individuality and autonomy of the users.
Description: BARROSO, C. M. "NAVEGAR É PRECISO" - Cartografando subjetividades em saúde mental. 2017. 91 f. Dissertação (Mestrado em Saúde da Família) - Campus de Sobral, Universidade Federal do Ceará, Sobral, 2017.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/26733
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:PPGSF - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_dis_cmbarroso.pdfBARROSO, C. M. "NAVEGAR É PRECISO" - Cartografando subjetividades em saúde mental. 2017. 91 f. Dissertação (Mestrado em Saúde da Família) - Campus de Sobral, Universidade Federal do Ceará, Sobral, 2017.4,51 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.