Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2259
Title in Portuguese: Endogeneidade versus exogeneidade do crescimento econômico: uma análise comparativa entre Nordeste, Brasil e países selecionados
Author: Arraes, Ronaldo de Albuquerque e
Teles, Vladimir Kuhl
Keywords: Crescimento Econômico
Issue Date: 2000
Publisher: Revista Econômica do Nordeste
Citation: ARRAES, Ronaldo de Alquerque e; TELES, Vladimir Kuhl. Endogeneidade versus exogeneidade do crescimento econômico: uma análise comparativa entre Nordeste, Brasil e Países Selecionados. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 31, n. Especial, p. 754-776, nov. 2000
Abstract in Portuguese: Compara a trajetória de crescimento de longo prazo entre Nordeste do Brasil, demais países latino-americanos e países desenvolvidos. Dirige-se a três preocupações primárias: a) determina se o caminho de crescimento de economias em desenvolvimento, em especial a nordestina, é explicado pelas hipóteses das teorias de crescimento endógeno ou exógeno; b) simula uma taxa de crescimento para os países analisados e para os Estados do Nordeste em cenários fornecidos pela eqüidade das variáveis explicativas (capital humano, progresso tecnológico, capital de infra-estrutura, distribuição de renda, abertura comercial, desenvolvimento do setor financeiro, tamanho do governo) com as observadas respectivamente para os Estados Unidos e para a Bahia; c) analisa os resultados à luz das teorias endógenas de efeitos de escala e de adoção de tecnologia. Para tanto, utilizando dados de 1950 a 1992, construíram-se modelos econométricos de distribuição polinomial de defasagens e de equações simultâneas, calculados por mínimos quadrados ordinários e dados de painel, concluindo-se de forma satisfatória que: 1)a hipótese de crescimento endógeno para economias em desenvolvimento não pode ser rejeitada; 2) em todas as economias, constatou-se que capital humano e avanços tecnológicos agem como a força motriz do crescimento econômico, ao invés de capital físico, como declarado por teorias tradicionais de crescimento; 3) os resultados obtidos das equações simultâneas, bem como das simulações, dão forte evidência de que diferentes economias apresentem “receitas” de crescimento de longo prazo distintas.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2259
ISSN: 01004956
Appears in Collections:CAEN - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2000_art_rarraes.pdf528,41 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.