Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/14430
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorMesquita, João Vianney Campos de-
dc.date.accessioned2015-12-10T12:23:51Z-
dc.date.available2015-12-10T12:23:51Z-
dc.date.issued1999-
dc.identifier.citationMESQUITA, João Vianney Campos de. Alegoria singular. Revista Educação em Debate, Fortaleza, ano 21, v. 2, n. 38, p. 192-193, 1999. Resenha da obra de: BARRETO, José Anchieta Esmeraldo; MOREIRA, Rui Verlane Oliveira (orgs.) O elefante e os cegos. Fortaleza: Casa de José de Alencar/Programa Editorial, 1999, 152p.pt_BR
dc.identifier.issn0102-1117 (impresso)-
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/14430-
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.publisherRevista Educação em Debatept_BR
dc.subjectAlegoria singularpt_BR
dc.subjectFirmeza lógicapt_BR
dc.subjectNovidade temáticapt_BR
dc.titleResenha Alegoria singularpt_BR
dc.typeArtigo de Periódicopt_BR
dc.description.abstract-ptbrQuase nada aproveita a produção intelectual se esta não circular, socializando ideias para formar opinião, corroborar pressupostos, confirmar enredos, suscitar dúvidas, negar peremptoriamente compreensões provisórias, enfim, comprometer a alvura do cisne, pigmentando-o de tons escuros. É este o fado de qualquer esforço do espírito - comunicar intenções que queremos fazer valer pela solidez argumentativa, firmeza lógica e novidade temática. A obra que não circula, evidentemente, não passa de um monólogo, uma intracomunicação muita vez inconseqüente e, nalgumas ocasiões, lesiva ao patrimônio reflexivo do seu autor. O produtor de uma peça de qualquer das artes (nomeadamente literatura) que a não torna um bem comunitário é suscetivo de permanecer no próprio engodo auto-raciocinativo, porquanto é falto de juízos alheios que discutam suas ideias, acrescendo-as de dados, concertando desordens conceituais, reparando enganos e questionando afirmações falazes. Algumas pessoas, exageradamente escrupulosas, costumam legitimar seu silêncio editorial, remetendo-se a Immanuel Kant (Kõnisberg - 1724/1804), na lenta expectação de que sejam suas compreensões depuradas até a perfeição, isentas de erro...pt_BR
Appears in Collections:PPGEB - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1999_art_vmesquita.pdf1,88 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.