Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/14379
Title in Portuguese: A universidade e a questão do conhecimento – O currículo acadêmico na perspectiva da inter/transdisciplinaridade e da ecologia de saberes
Title: The university and the knowledge of the matter - The academic curriculum in view of the inter / transdisciplinarity and knowledge of ecology
Author: Freire, Ludmila de Almeida
Advisor(s): Moraes, Silvia Elizabeth Miranda de
Keywords: Abordagem Interdisciplinar
Estudante Universitário
Formação de Professores
Prática de Ensino
Issue Date: 2015
Publisher: www.teses.ufc.br
Citation: FREIRE, Ludmila de Almeida. A universidade e a questão do conhecimento – O currículo acadêmico na perspectiva da inter/transdisciplinaridade e da ecologia de saberes. 2015. 134f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2015.
Abstract in Portuguese: A ciência moderna adquiriu para si a tarefa precípua de coordenar o desenvolvimento da humanidade, advogando-se o poder intransferível de legitimar ou não todo e qualquer conhecimento. Muitas instituições, sobretudo as educacionais, foram se estabelecendo com a importante tarefa de transmitir às novas gerações o patrimônio do conhecimento científico sistematizado, relacionando-o com as necessidades sociais vigentes de cada período histórico. Dentre essas instituições, concebe-se indiscutivelmente como a de maior vanguarda a universidade. Mas a universidade há muito tem sofrido certo descompasso entre as novas práticas sociais e o conhecimento que em seu chão é desenvolvido. Ao mesmo tempo, os velhos problemas sociais continuam prementes: a fome, a miséria, as injustiças sociais, o sobrepujar de uma cultura economicamente mais forte sobre a outra. Nesse momento, a universidade é colocada numa posição tanto de repensar suas bases como de se fazer ativa no processo, contribuindo na consolidação de um novo paradigma do conhecimento. Desse modo, o objetivo deste estudo é o de compreender como a universidade em transformação está a lidar com a construção do conhecimento, especialmente no que concerne ao diálogo interdisciplinar e transdisciplinar, articulando-os igualmente com os saberes tradicionais, constituindo-se numa Ecologia de Saberes, postulada por Boaventura de Sousa Santos. A hipótese de trabalho foi a de que, nesse processo de transição paradigmática, é possível à universidade um outro tipo de dinâmica epistemológica, privilegiando a integração entre as ciências e os saberes tradicionais presentes na diversidade cultural do mundo. Para responder a essa questão, recorreu-se metodologicamente à abordagem qualitativa, com os pressupostos da abordagem etnográfica. Tendo o estudo de caso como método, investigou-se a experiência de um grupo situado na Saúde Coletiva da Universidade Federal do Ceará, intitulado Núcleo de Trabalho, Meio Ambiente e Saúde para a Sustentabilidade. Para a coleta de dados, lançou-se mão da observação com notas de campo, entrevistas semiestruturadas e realização de um grupo focal. Nos achados do estudo, detectou-se que o movimento no trabalho do grupo que gera interdisciplinaridade e transdisciplinaridade ocorre naturalmente, impelido pela complexidade que a realidade suscita; as ciências, os autores escolhidos, os saberes tradicionais articulados e as decisões metodológicas encaminhadas pelo núcleo emergem das lutas assumidas. Foi ainda evidenciada a compreensão de que saberes acadêmicos e que saberes tradicionais possuem o mesmo grau de relevância nesse processo para os sujeitos envolvidos, ainda que socialmente o conhecimento científico seja mais valorizado. Ficou patente que o grupo e as comunidades em seus territórios seguem outra óptica de tempo e produção, encaminhando coletivamente suas próprias construções de conhecimento. O Núcleo Tramas, desse modo, tem o papel de promover a sociologia das ausências e das emergências. Desse modo, a hipótese de trabalho foi comprovada como tese: a de que outro conhecimento é possível à universidade, um conhecimento desenvolvido e plasmado nos processos de integração dos saberes, nas relações dialógicas e, por esse motivo, com grande potencial emancipador.
Abstract: Modern science has vindicated for itself the task of coordinating the development of humanity, assuming the nontransferable power of legitimizing or not all knowledge. Many institutions, especially educational, were established with the important task of transmitting to future generations the heritage of systematic scientific knowledge, relating it to the current social needs of each historical period. Among these institutions, the university is in the forefront. However, the university has long suffered certain mismatch between the new social practices and the knowledge it develops. At the same time, the old social problems demand urgent attention: hunger, misery, social injustices, predominance of economically stronger cultures over others. At present, the university is located in a position both to rethink its bases, as well as to be active in the process, contributing to the consolidation of a new paradigm of knowledge. The aim of this study is therefore to understand how this university in transformation is handling the construction of knowledge, especially with regard to interdisciplinary and transdisciplinary dialogue, linking them with traditional knowledge, constituting an Ecology of Knowledge, postulated by Boaventura de Sousa Santos. Our working hypothesis was that, included in this paradigmatic transition process, it is possible for the university another kind of epistemological dynamics, favoring integration between science and traditional knowledge, present in the cultural diversity of the world. To answer this question we anchored methodologically in the qualitative approach with the assumptions of ethnographic approach. Having the Case Study as a method, we investigate the experience of a group located in the Medical School, Public Health Department, Federal University of Ceará, entitled Núcleo Tramas. For data collection, we used field observation with note taking, semi-structured interviews, and focus group technique. In our findings, we detected that the movement in the group work that generates interdisciplinary and transdisciplinary dialogue occurs naturally, driven by the complexity raised by reality: the sciences, the chosen authors, traditional knowledge, methodological decisions emerge from the struggles undertaken. It was also evidenced that the academic and traditional knowledge have the same degree of importance in the process, although social scientific knowledge is most valued. It was clear that the group and the communities in their territories hold different perspectives of time and production, collectively directing their own knowledge construction. The Tramas thus has the role of promoting the sociology of absences and emergencies (Sousa Santos). Based on our findings, our working hypothesis was proven as a thesis: that other knowledge is possible for the university, developed and molded in the knowledge integration processes in dialogic relations and, therefore, with great emancipatory potential.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/14379
metadata.dc.type: Tese
Appears in Collections:PPGEB - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2015_tese_lafreire.pdf1,35 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.