Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/14378
Title in Portuguese: Vozes e territorialidades no pós-abolição: histórias de famílias e resistência identitária – O caso do Cururuquara
Title: Voix et territorialités dans le post-abolition: l’histoire des familles e resistence identité – Le cas de Cururuquara
Author: Yade, Juliana de Souza Mavoungou
Advisor(s): Cunha Júnior, Henrique Antunes
Keywords: Cururuquara,Festa do
Famílias negras – Cururuquara(Santana de Parnaíba,SP)
Negros – Cururuquara(Santana de Parnaíba,SP) – Identidade étnica
Fête de Cururuquara
Mémoire
Issue Date: 2015
Publisher: www.teses.ufc.br
Citation: YADE, Juliana de Souza Mavoungou. Vozes e territorialidades no pós-abolição: histórias de famílias e resistência identitária – O caso do Cururuquara. 2015. 252f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2015.
Abstract in Portuguese: A proposta desta pesquisa é compreender os processos de construção da memória de famílias negras a partir das migrações ocorridas no período pós-abolição. Para isso, partimos de nossa história familiar, que compartilha aspectos específicos do período, compreendidos como especificidades sócio-históricos manifestados nas narrativas de parte da população negra. A pesquisa de campo desenvolveu-se a partir do depoimento de três mulheres octogenárias e um homem nonagenário, que narram suas histórias de vida perpassadas por uma prática sociocultural desenvolvida por seus antepassados no território onde passaram parte significativa de suas vidas. Além dos depoimentos, na observação participante, tomamos parte da festa e das etapas em que é composta, visando a observar seus contextos e colher dados para posterior análise. A Festa do Cururuquara, que ocorre no bairro homônimo, em Santana de Parnaíba/SP, chega à sua 128a edição, no ano de 2015. No início, era uma forma de agradecer a São Benedito, Santo dos Pretos, pela liberdade. Leandro, Lizário, Elizeu e outros companheiros, também ex-escravizados e recém-libertos, como forma de homenagem, tocaram o Samba de Bumbo e, reunidos por três dias, planejaram o futuro, agora em liberdade. Desde então, os ascendentes dos primeiros moradores do lugar seguem realizando a Festa do Cururuquara próximo do dia 13 de maio. A memória dos anciãos depoentes desta pesquisa traz as especificidades da Festa e do território que a abriga, traduzindo a importância simbólica do território e da festa. Adotando como base teórica as memórias coletiva e individual; a oralidade; territorialidades de maioria negra; resistência identitária; foi possível interpretar as histórias do pós-abolição, no bairro, na Festa e na história de vida dos sujeitos da pesquisa.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/14378
metadata.dc.type: Tese
Appears in Collections:PPGEB - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2015_tese_jsmyade.pdf15,5 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.