Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/11461
Title in Portuguese: A complexidade da formação médica na e para atenção básica como parte de dois sistemas e um sistema à parte
Title: The complexity of medical training in and for primary care as part of two systems and a system apart
Author: Sousa, Maria do Socorro de
Advisor(s): Machado, Márcia Maria Tavares
Keywords: Atenção Primária à Saúde
Avaliação
Articulações
Issue Date: 2014
Citation: SOUSA, M. S. de. A complexidade da formação médica na e para atenção básica como parte de dois sistemas e um sistema à parte. 2014. 460 f. Tese (Doutorado em Saúde Pública) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.
Abstract in Portuguese: A formação médica no Brasil, ainda, reconhece no hospital o lugar por excelência para a aprendizagem e a prática do estudante de medicina, isto significa enfatizar as tecnologias duras e os procedimentos em detrimento da Atenção Primaria à Saúde. Com o advento da proposta da medicina preventiva, um paradigma para se contrapor ao modelo hospitalocêntrico, vem sendo elaborado desde a década de 1960, e a Declaração de Alma-Atá em 1978, sob o lema Saúde Para Todos, foi um marco político de âmbito mundial, que visou a alcançar a realização da Atenção Primária em Saúde até o final do século XX. Embora o cenário venha mudando com suporte nas Diretrizes Curriculares Nacionais publicadas em 2001 a problemática da formação para este nível de atenção continua exigindo a concretização da integralidade em todos os aspectos, essencialmente o homem ser visto por inteiro como ser humano, no ato de cuidar. Por isto esta pesquisa teve como objetivo geral: avaliar as práticas de formação médica que tenham como finalidade formar médicos para atender a Atenção Básica à Saúde e a articulação dessas práticas com a gestão e os serviços de saúde. A Abordagem foi avaliativa do tipo pesquisa-ação participativa, em três momentos fundamentais, dinâmicos e interligados, baseados na abordagem do planejamento participativo e nas espirais da pesquisa-ação participativa. Foram recolhidas as informações, idéias dos sujeitos em cinqüenta (50) entrevistas semiestruturadas, observações-participantes e documentos. A análise foi contínua e circular, compreendida como mediação na construção do conhecimento. O pensamento complexo aspira ao conhecimento multidimensional e faz da análise um processo espiral, contendo: o conhecimento, a compreensão, a aplicação, a análise, a síntese, a avaliação, em uma relação dialógica. Os resultados apontam para a legitimação da (auto)biografia como forma privilegiada da atividade mental e reflexiva, na qual o ser humano se representa e compreende a si mesmo, no seio do ambiente social. A importância de um referencial integrador que inclua a contextualização e reflexão permanente. A ação de formar médico deve ser avaliada, tendo em vista duas dimensões temporais: no sentido da formação do médico do futuro e na dimensão do presente, incluindo a compreensão objetiva de suas práticas e a subjetiva, com suporte em uma compreensão complexa, na e para a Atenção Básica à Saúde. A pesquisa evidenciou fragilidades referentes às conexões internas e externas ao curso, como os documentos existentes na Universidade se conectam (ou deveriam se conectar), na perspectiva da formação em ABS, sendo percebida uma incongruência entre eles. Foi identificado, no entanto, um esforço de tornar a avaliação algo permanente e uma cultura institucional. Foi ensaiada a modalidade de pesquisa-ação participativa como proposição de um caminho que poderá dar conta da avaliação, transformando-a em parte integrante do planejamento, subsidiada pelo paradigma da complexidade. Para se compreender este movimento dinâmico de formar, a pesquisa mostrou, mesmo considerando seus limites, que a avaliação não deve considerar tão somente o conhecimento das práticas, a compreensão objetiva, mas também a compreensão subjetiva, complexa.
Abstract: Medical training in Brazil still perceives the hospital as the place par excellence for medical students to learn and practice, this means emphasizing hard technologies and procedures at the expense of Primary Health Care. With the advent of the proposal for preventive medicine, a paradigm to counterpoint the hospital-centered model has been developed since the 1960s, and the Alma-Ata Declaration of 1978, under the slogan Health for All, was a political milestone worldwide, which aimed to implement Primary Health Care by the end of the twentieth century. Although the scenario has been changing with the support of the National Curriculum Guidelines published in 2001, the issue of training at this level of care continues to demand integrality in all aspects, essentially requiring a holistic view of the person as a human being when the subject of care. Therefore this research has the general aim of: evaluating the medical training practices that are intended to train physicians to act in primary health care and the articulation of these practices with health services and management. The approach was evaluative, using research-action-participatory methods in three fundamental, dynamic and interrelated key moments, based on the participative planning approach and the spirals of participatory research-action. The information and ideas of the subjects were collected from fifty (50) semi-structured interviews, participant-observations, and documents. The analysis was continuous and circular, understood as mediation in the construction of knowledge. Complex thinking aspires to multidimensional knowledge and makes the analysis a spiral process, containing: knowledge, comprehension, application, analysis, synthesis and evaluation, in a dialogic relationship. The results point to the legitimacy of the (auto)biography as a privileged form of mental and reflective activity in which the human being represents and understands him/herself, within the social environment and the importance of an integrative framework that includes contextualization and ongoing reflection. The action of training the physician should be assessed in view of two time dimensions: the training of the doctor of the future and the present dimension, including the objective understanding of their practices and the subjective, supported by a complex understanding, in and for Primary Health Care. The research evidenced weaknesses regarding the internal and external connections to the course, how documents existing in in the University connect (or should connect), from the perspective of training for PHC, with a perceived incongruity between them. However, efforts were detected to make the evaluation permanent and an institutional culture. The mode of participatory research-action was practiced as a proposal for a path to permit the assessment, transforming it into an integral part of planning, supported by the paradigm of complexity. To understand this dynamic movement of formation, even considering its limitations, the survey showed that the evaluation should not consider only the knowledge of the practices and the objective understanding, but also the subjective complex understanding.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/11461
Appears in Collections:DSC - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_tese_mssousa.pdf9,41 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.