Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/10835
Title in Portuguese: Impacto da ressecção pulmonar por câncer de pulmão nos marcadores inflamatórios após um mês de cirurgia
Title: Lung resection impact on inflamatory markers after one postoperative month in lung cancer patients
Author: Araujo, Amanda Souza
Advisor(s): Moraes Filho, Manoel Odorico de
Co-advisor(s): Pereira, Eanes Delgado Barros
Gomes Neto, Antero
Keywords: Neoplasias Pulmonares
Cirurgia Torácica
Complicações Pós-Operatórias
Issue Date: 2014
Citation: ARAUJO, Amanda Souza. Impacto da ressecção pulmonar por câncer de pulmão nos marcadores inflamatórios após um mês de cirurgia. 2014. 109 f. Dissertação (Mestrado em Cirurgia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2014.
Abstract in Portuguese: Contextualização: O câncer de pulmão (CP) é conceituado como uma agressão maligna ao epitélio respiratório, que ocorre em face da quebra dos mecanismos de defesa pulmonar, sendo considerado um dos tipos de câncer mais prevalentes e de alta morbimortalidade. O tratamento curativo cirúrgico permanece como a opção terapêutica relacionada a melhor sobrevida em pacientes corretamente estadiados. O uso de marcadores inflamatórios vem sendo avaliado em grupos de patologias progressivas que estão relacionadas a uma resposta inflamatória anormal dos pulmões, na tentativa de identificar precocemente a infecção, estratificar o risco dos pacientes desenvolverem complicações clínicas graves e programar terapêuticas adequadas. Objetivos: Avaliar o impacto da ressecção pulmonar por câncer de pulmão nos marcadores inflamatórios após um mês de cirurgia. Métodos: Trata-se de um estudo de coorte prospectivo envolvendo pacientes com CP candidatos à ressecção pulmonar. As avaliações pré-operatórias foram constituídas de análise sanguínea do fibrinogênio e Proteína C-reativa (PCR), Teste da Caminhada de seis minutos (TC6), escala de Karnofsky (KPS), espirometria, pressão inspiratória e expiratória máxima (PImáx e PEmáx), questionário de qualidade de vida Short Form-36 (SF-36), inventário de ansiedade (BAI) e depressão de Beck (BDI). As complicações pulmonares pós-operatórias foram avaliadas após cinco dias de cirurgia, por meio da coleta dados sobre o procedimento cirúrgico trans e pós-operatório. Após a alta, os pacientes foram acompanhados até o primeiro mês, sendo realizadas as mesmas avaliações do pré-operatório. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente pelo programa Statistical Package for the Social Sciences 21.0. e pelo programa GraphPad Prism® 6.0. Resultados: Participaram do estudo 48 pacientes com CP, sendo 29 do sexo feminino (60,4%), 25 com estadiamento do câncer entre Ia e Ib (52,1%) e idade média de 60 ± 11,6 anos. Desses, 36 foram submetidos à lobectomia (75%) e, com predomínio para a toracotomia (64,6%). Observou-se que 12 (25%) pacientes apresentaram um ou mais tipos de complicações pulmonares pós-operatórias. Após um mês de cirurgia, verificou-se que os valores dos marcadores inflamatórios sistêmicos pioraram, embora apenas a mudança na PCR tenha sido estatisticamente significativa (p=0,03). O delta do PCR correlacionou-se com o delta do Karnofsky (r= -0,50; p=0,001), Coeficiente mental sumarizado (r= -0,34; p=0,01) e com o fibrinogênio (r= 0,41; p=0,003), e houve uma tendência fraca para correlação com o TC6 (r= -0,28;p=0,05). Os pacientes submetidos à cirurgia torácica videoassistida tiveram uma taxa de fibrinogênio significativamente menor (p=0,01) quando comparado com os pacientes submetidos à toracotomia. Os parâmetros respiratórios funcionais (PImáx, PEmáx e espirometria) diminuíram após um mês do procedimento cirúrgico (p< 0,001), bem como o desempenho no TC6 (p< 0,001) e a pontuação Karnofsky (p=0,02). Conclusão: Os pacientes com CP submetidos à ressecção pulmonar pioraram nas seguintes variáveis após um mês da cirurgia: proteína C-reativa, volume expiratório forçado no primeiro segundo, capacidade vital forçada, força muscular respiratória e capacidade funcional. Evidenciou-se melhora dos níveis de ansiedade e depressão.
Abstract: Background: Lung cancer is defined as a malignant injury to respiratory epithelium which is a result of imunological weakness. It is the most prevalent type of cancer with high morbidity and mortality rates. Surgical treament remains the best therapeutic option related to better survival rates in regularly staged patients. Inflamatory markers usage has been assessed in progressive disesases characterized by abnormal lung inflamatory response. This assessment approach is used to indentify early signs of infection, to stratificate risk and to provide adequate therapy choice. Objectives: To assess lung resection impact on blood levels of inflamatory markers, lung function, health related quality of life, anxiety and depression after the first postoperative month. Methods: A prospective cohort study was performed with lung cancer patients undergoing lung resection. Preoperative assessment included sérum fibrinogen levels measurement, C reactive protein (CRP) levels measurement, Six-minute walking test, Karnofsky Performance Status Scale (KPS), spirometry, maximal inspiratory and expiratory pressures, health related quality of life questionnaires such as the Short Form 36 Health Survey Questionnaire, Beck Anxiety (BAI) and Depression (BDI) Inventories. Information on the transoperatory and postoperatory was collected in search of postoperative pulmonary complications. After hospital discharge, patients were followed up by the researcher until the last day of the first postoperative month and same preoperative evaluation was performed with them. Data was statistically treated using the Statistical Package for the Social Sciences – SPSS 21.0. Results: 48 lung cancer patients attended the study with mean age of 60 ± 11,6 years, 29 female (60,4%). 25 patients were staged as Ia and Ib (52,1%). Thoracotomy was the most used surgery technique (31 patients; 64,6%). 12 patients (25%) had postoperative pulmonary complications. After one postoperative month systemic inflamatory markers levels decreased although only CRP levels had significant change (p=0,03). Delta-CRP correlated with Karnofsky (r=0,50; p=0,001), sf36 mental component summary (r=0,34; p=0,01) and fibrinogen levels (r=0,41; p=0,003). There was a tendency of positive correlation of delta-CRP with 6MWT (r=0,28; p=0,05). Patients undergone video-assisted surgery had significantly lower fibrinogen levels than those patients undergone thoracotomy. Pulmonary function decreased during the course of surgery (p=0,001) as well as 6-minute walked distance (p<0,001) and Karnofsky score (p=0,02). Conclusion: Lung cancer patients undergone lung resection had worsened CRP levels, forced expiratory volume in the first second (FEV1), forced vital capacity (FVC), respiratory muscle force and funtional capacity in the first postoperative month. Nonetheless, patients showed improvements in anxiety and depression levels.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/10835
Appears in Collections:DCIR - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_dis_asaraujo.pdf1,16 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.